Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Opinião

Politica

O candidato classificado em segundo lugar nas eleições presidenciais da República Democrática do Congo (RDC), Martin Fayulu, apelou ontem a protestos em todo o ...

domingo, 20 janeiro 2019
Leia +

Nacional

Um juiz do tribunal de Macomia, em Cabo Delgado, confirmou, na sexta-feira, a detenção do jornalista  Amade Abubacar, anunciou fonte de uma das instituições de defesa ...

domingo, 20 janeiro 2019
Leia +

Autárquicas 2018

A VOTAÇÃO nas oito mesas cujos resultados foram anulados pelo Conselho Constitucional na autarquia de Marromeu, em Sofala, deverá ser repetida até ao dia 25 de Novembro ...

quinta, 15 novembro 2018
Leia +
Pub
SN

Desporto

O COSTA do Sol já vai no sétimo dia do estágio na África do Sul, mais concretamente na região de White Rivers, em Mpumalanga, e feito quatro jogos (duas ...

sábado, 19 janeiro 2019
Leia +

Economia

O BANCO Africano de Desenvolvimento (BAD) alerta que se Moçambique não reestruturar a dívida e restaurar a confiança dos investidores, vai aprofundar a crise ...

sábado, 19 janeiro 2019
Read more

Tecnologias

UMA aplicação móvel de gestão de exames de admissão à Universidade Pedagógica (UP), foi ontem lançada, em Maputo, por esta ...

sábado, 19 janeiro 2019
Leia +

Fernando Leite Couto é um nome cuja marca ainda está patente no panorama editorial moçambicano. Pela sua mão, uma editora – a Ndjira – nasceu e consolidou-se, levando aos leitores livros dos mais consagrados autores nacionais bem como ajudava outros a desabrocharem. O seu filho Mia, que é o moçambicano que mais obras ofereceu à nossa literatura, Paulina Chiziane, Aldino Muianga, dentre os consagrados, Fernando Pedro (que faleceu vítima das explosões no paiol de Mahlazine em 2007) ou Pedro Muiambo, entre os novatos “nasceram” para a literatura pelas mãos do editor falecido em 2013.

Na quinta-feira, data em que se fosse vivo Fernando Couto faria 91 anos, os seus filhos Mia, Fernando Amado e Armando Jorge vão inaugurar a Fundação Fernando Leite Couto, que se propõe a continuar a obra do seu patrono, com enfoque maior na literatura e na arte. A literatura, com o apoio a novos autores, promoção e patrocínio de acções de formação, intercâmbios, a montagem de uma biblioteca e apoio a outras do país, terá peso mas a fundação irá abarcar outros campos da cultura, conforme anunciou Mia Couto, semana passada, durante uma conferência de imprensa que serviu de apresentação da iniciativa à imprensa.

“Não nos vamos cingir apenas à literatura, porque sentimos e queremos abarcar outros campos das artes, da cultura. Teremos exposições de pintura, conferências, debates, colóquios sobre os mais variados temas relacionados com a cultura, estamos a pensar também em fazer algo no jornalismo, pois o nosso pai foi também jornalista”, afirmou Mia Couto, que o presidente da instituição.

PRÉMIOS LITERÁRIOS

A fundação que leva o nome de Fernando Leite Couto irá, no quadro das suas actividades, pretende vir a ser um novo polo de cultura na cidade de Maputo e em outros pontos do país. Ainda que não tenha sido divulgada qualquer programação, os irmãos Couto asseveram que haverá uma programação com eventos regulares, que irão ajudar a enriquecer o roteiro cultural nacional.

Intervindo na conferência de imprensa, Fernando Amado Couto explicou que a fundação que leva o nome do pai não irá “ocupar o lugar de ninguém” e muito menos apropriar-se de responsabilidades de outras entidades culturais. “Iremos trabalhar também com outras instituições culturais nacionais, do Governo e não-governamentais, porque o que nós pretendemos é trabalhar com elas, com a cultura, em prol do nosso país”, disse.

Um dos planos da fundação é instituir prémios e conceder bolsas de estudo em domínios compatíveis com os fins para os quais ela foi criada. Por falar em prémios, essa é uma velha preocupação de Mia Couto, que por ocasião de um que venceu há algum tempo no estrangeiro, manifestou o desejo de ver estimulados jovens escritores nacionais.

UMA VOZ CHEIA DE VOZES

Fernando Leite Couto, moçambicano de origem portuguesa, fixou-se em Moçambique nos anos 1950. Foi homem de literatura de uma forma particular e de cultura e de outros campos da vida do país. Para além de poeta de eleição foi destacado jornalista. Neste ofício colaborou com o “Notícias da Beira” (que depois foi transformado em “Diário de Moçambique”, “Diário de Notícias”, “Notícias”, Agência de Informação de Moçambique (AIM) e Ministério da Informação. Foi igualmente professor de jornalismo e de outras disciplinas na Escola de Jornalismo.

No contexto da sua intervenção no jornalismo, os seus descendentes do homem que chegou a ser sub-chefe de redacção no “Notícias” projectam editar e imprimir publicações de índole literária, artística e cultural.

A data de inauguração da Fundação Fernando Leite Couto coincide com a passagem do 91º aniversário do nascimento do seu patrono. Para além de se apresentar a instituição e seus propósitos aos presentes (convidados), será também lançado um livro do poeta. “Uma Voz Cheia de Vozes”, como é intitulado o livro, é prefaciado por Luís Carlos Patraquim etraz, entre outros textos, poemas do malogrado homem de cultura. Entre os poemas está “Manifesto”, que escreveu em 1967:

 

Poesia não te peço trigo

pois sei que não és seara

e nem ao menos és terra.

Quero-te só cotovia

no espesso dos trigais

e canto da madrugada.

Não podes servir de pão

a quem outro não tiver.

Podes uivar e chorar

ser o grito de esfaimados

bandeira de barricadas

cólera das nossas veias

mas não és terra ou seara

Nem balas nem espingardas.

Quero-te só cotovia

Íntima voz do meu sangue.

 

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction