A IMPLEMENTAÇÃO do programa de educação inclusiva em Nampula está a resultar no aumento do efectivo escolar de crianças com necessidades educativas especiais.

A base de dados do sector da Educação indica que no ano lectivo de 2015 existiam 7611 alunos com deficiência a frequentar o ensino, mas já no ano em curso foram matriculadas 19.130 crianças.

Esta informação foi tornada pública há dias, na cidade de Nampula, durante a cerimónia de abertura da Semana da Educação Inclusiva, pelo chefe da Repartição de Necessidades Educativas Especiais, Armando Ichire, que destacou a redução dos casos de exclusão das crianças com deficiência do ensino como fruto da sensibilização das comunidades para uma mudança de atitude.

Aliás, Ichire afirmou que a sua instituição tem exortado a sociedade a manifestar a sua solidariedade e interajuda das crianças com e sem necessidades educativas especiais, através de acções conjuntas entre as instituições do Estado e os movimentos associativos que trabalham em prol das pessoas com deficiência.

O evento foi orientado pelo director do Serviço Distrital de Educação, Juventude e Tecnologia do distrito de Nampula, Henriques José, em substituição da directora provincial do sector, que elogiou o esforço desenvolvido pelos professores e alunos por uma educação mais inclusiva e de qualidade.

“A educação é um direito humano. Todos devem aprender, independentemente da sua condição física. Estamos convencidos que a sociedade está a acatar as linhas de acção para a implementação da estratégia sobre a educação inclusiva”, disse.

Henriques José reiterou que o papel dos pais não termina no simples facto de permitir o ingresso da criança na escola, porquanto existem outras responsabilidades.

Comments

O CONSELHO Autárquico de Nampula e a Casa de Moçambique em Portugal assinaram esta semana, nesta urbe, um memorando de entendimento para a viabilização de projectos de desenvolvimento na chamada capital do Norte. Leia mais.

Comments

OS residentes da unidade comunal de Namiteca, bairro de Muahivire, arredores da cidade de Nampula, lamentam a falta de água canalizada, facto que lhes obriga a recorrer a fontes tradicionais para obter o recurso, que constitui risco para saúde, porque as mesmas são precárias e a possibilidade de contaminação é maior. Leia mais

Comments

INDIVÍDUOS de má-fé estão a retirar as grelhas colocadas nas valas de drenagem nas ruas e avenidas da cidade de Nampula, pondo em risco a segurança rodoviária e integridade física dos peões. Leia mais

Comments

O governador da província de Nampula, Victor Borges, garantiu hoje à imprensa, que já regressou à residência oficial desde, o último sábado, abandonando o Grand Plaza Hotel, instância turística, para onde havia se refugiado temendo pelos ratos, que tinham invadido a sua casa.

Na manhã desta terça-feira (14), o governador convocou a imprensa para uma conferência, na qual comprometeu-se a pagar as contas do hotel, contraídas durante a sua permanência no local, informa o jornal Ikweli.

Victor Borges, governador da província de Nampula, tinha abandonado a sua residência fugindo de uma suposta praga de ratos em plena cidade de Nampula.

“A partir de sábado passado, eu voltei à residência oficial. É verdade que há coisas que precisam ser feitas na residência, mas, podem acontecer estando lá. Eu quero agradecer aqueles que me abordaram e quando me entrevistaram, eu respondi o que é que se passava e, também, quero agradecer a chamada de atenção, que resultou da publicação dessa notícia. Muitas pessoas manifestaram o seu desagrado por aquilo que aconteceu”, disse Borges, reconhecendo que a atitude de se mudar para um hotel foi um exagero.

Victor Borges disse na ocasião que “já tendo feito, tenho é de pedir desculpas por ter saído da residência para o hotel. E, também, dizer que perante a indignação das pessoas, achando que essa saída pode provocar encargos financeiros elevados, o que não é justo que se impute o erário público a estadia do governador no hotel, eu já comuniquei ao gabinete do governador que pelas vias que me forem possíveis vou suportar as despesas”.

Quanto ao período de permanência no hotel, o governante disse que ficou perto de trinta dias e não os pouco mais de três meses, que foram veiculados pela imprensa.

A província de Nampula é a mais populosa do país e as suas gentes deparam-se, diariamente, com problemas sérios no acesso aos serviços básicos de saúde, educação, incluindo as vias de acesso, que se encontram, maioritariamente, em avançado estado de degradação.

“Tendo em conta que ficamos lá acima de 30 dias, vamos ver se o hotel vai cobrar na totalidade ou vai usar o princípio de que quando alguém fica num período longo há algum desconto”, disse Borges, aventando a hipótese de recorrer a empréstimos bancários para pagar a dívida.

Comments
Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction