Opinião

Politica

O Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) realizam a partir de hoje, em Maputo, uma série de seminários ...

segunda, 25 março 2019
Leia +

Nacional

A operadora de telefonia móvel Vodacom acaba de anunciar que os serviços de voz da sua rede passam, desde a última sexta-feira, a ser gratuitos na província de Sofala, a ...

segunda, 25 março 2019
Leia +

Beira

Chega amanhã à cidade da Beira um avião das Forças Aéreas Reais do Reino Unido, transportando mantimentos para ajudar as vítimas do ciclone ...

segunda, 25 março 2019
Leia +
Pub
SN

Desporto

O JOGO de sábado em Bissau que afastou Moçambique do CAN deste ano no Egipto foi uma autêntica fotocopia daquele da primeira volta no Estádio Nacional do Zimpeto. O ...

segunda, 25 março 2019
Leia +

Economia

AS PERSPECTIVAS de crescimento a médio prazo em África, estimadas em taxas médias anuais que variam entre três a quatro por cento, são insuficientes para estimular ...

segunda, 25 março 2019
Read more

Tecnologias

A LUTA contra a Tuberculose, doença mortífera porém, curável, está a ser enfrentada em diferentes frentes. Com o advento das Tecnologias de Informação ...

segunda, 25 março 2019
Leia +

Quandoem 2013 começou a fabricar manteiga de amendoim, Octávio Muchanga não tinha a ideia do nível de interesse que a sua actividade pudesse suscitar na sociedade de um modo geral e na ciência, em particular. Pensava ele num simples negócio.

Acontece, porém, que depois de várias parcerias com agentes de negócios na perspectiva de expansão e de receber apoio de organizações com foco na área da nutrição, as academias ficaram de olho na sua micro-empresa e, de forma regular, enviam estudantes para aliarem a teoria à prática.

Depois da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), a mais antiga do país, a enviar estudantes da área de ciência e tecnologia de alimentos, agora coube a vez ao Instituto Superior de Ciências e Saúde (ISCISA), que ministra curso de licenciatura em nutrição.  

Para Muchanga, esta atracção é motivo de satisfação pois reconhece que como micro-empresa e única no fabrico de manteiga de amendoim no país, muito tem de aprender dos que dominam a ciência e tecnologia.

“Sinto-me feliz por ter abraçado esta inovação e por saber que desperta interesse nas academias. Em cada sessão de estágio, os estudantes deixam-nos ganhos em termos de procedimentos a tomar, do ponto de vista científico, um conhecimento que nos faltava porque somos, na verdade, simples empreendedores”, disse.

Muchanga disse acreditar que com a contribuição da ciência, num futuro não muito distante, será possível reduzir os níveis de desnutrição crónica na população moçambicana.  

 “Os estudantes que fizeram o estágio interno no ISCISA trouxeram um valor acrescentado para nós, com a Faculdade de Veterinária da UEM também ganhámos e a nossa filosofia é abrirmo-nos a mais parcerias de modo a crescermos no mercado”, disse.

Ganhos recíprocos

Para a directora do curso de Nutrição no ISCISA, Yara Lívia Ngovene, em parcerias desta natureza há sempre ganhos recíprocos. Ganham os estudantes ao aliar a teoria adquirida na sala de aula à prática, além de que o próprio estágio pode ser porta de entrada para o emprego, por um lado.

Por outro, explica, os donos dos micro-empreendimentos acumulam subsídios significativos, conducentes à melhoria da sua prestação o que, provavelmente, não fosse possível fora desta aliança.

Tradicionalmente, o ISCISA tem enviado seus estudantes para estágios da área de nutrição em grandes empresas mas, este ano, teve uma nova experiência de colaborar com empresas emergentes, cujo foco é o processamento de alimentos.

Iolanda Cavaleiro Tinga, coordenadora do curso, disse que para além da Xikhaba, este semestre o ISCISA trabalhou com outras duas pequenas empresas, uma virada para a produção de compotas, frutas hidratadas e achar (Tsokotsa) e a outra, de derivados de carne (chefe), nos municípios de Maputo e Matola, respectivamente.

Foram perto de 40 estudantes que de forma rotativa escalaram a Xikhaba durante oito semanas. “Temos trabalhado com grandes empresas como a Ginwala, Fasol e Merec. Este semestre, pela primeira vez trabalhámos com micro-empreendimentos, por recomendação de um parceiro internacional da área de nutrição que trabalha em Moçambique, a Global Alliance for Improved Nutrition (GAIN)”.

Um dos objectivos, pelo menos da Xikhaba é, a par do negócio, contribuir para a melhoria da nutrição dos moçambicanos, através dos seus produtos, o que segundo Yara Ngovene passa também pela diversificação do que confeccionam.

“Com o produto que manipulam, o amendoim, é possível contribuírem para esse fim mas, tal deve ser acompanhado pela diversificação de produtos de modo a abarcarem maior número de consumidores”, salienta.

 A coordenadora do curso faz uma ponte baseada na similaridade dos objectivos tanto do curso de nutrição, assim como das micro-empreendedores desta área.

”Nós, nos sentimos confortáveis quando os estudantes da tecnologia de alimentos e os de higiene e controlo da qualidade fazem lá o seu estágio. É preciso que o produto tenha o potencial nutritivo e esteja seguro para o consumo, uma segurança que pode ser também conferida na interacção com os estudantes que ao mesmo tempo melhoram as suas habilidades”, explicou.

O ISCISA tem turmas que farão os mesmos estágios nestas empresas e noutras ainda por identificar. A meta é formar 30 estudantes da área de Nutrição, número que no próximo ano poderá ir até 26 graduados.

Anabela Massingue 

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction