O CLUBE dos Desportos de Chingale vai de mal a pior. Os jogadores, apesar de terem os salários e os prémios de jogo em dia, não estão a render o suficiente para salvar a equipa, que de jornada a jornada está afundando e a agravar a situação da sua permanência no Moçambola da próxima edição.

Depois de uma derrota vergonhosa e humilhante em sua casa perante o Estrela Vermelha da Beira por duas bolas sem resposta, o Chingale está sim a perder pontos em casa e fora, situação não cómoda para a massa associativa do clube, os adeptos e outros amantes do desporto-rei na província de Tete.

Com este jogo de domingo último em casa se esperava uma outra atitude e comportamento dos atletas perante o Desportivo de Nacala com uma vitória para amainar os ânimos do seu público e encurtar a distância do caminho da despromoção para evitar ser o companheiro precoce do já despromovido Matchedje.

O JOGO

O Desportivo de Nacala, que foi a Tete a saber que iria encontrar dificuldades sérias para se impor, iniciou a partida a defender ao máximo e utilizando o sistema de contra-ataques para apanhar o adversário em contrapé. Este sistema de jogo levou o Chingale a ocupar sem dificuldades o rectângulo de jogos e a trocar a bola com passes de graça e a enviar a bola para a frente, mas na hora da verdade os seus artilheiros se encontravam distraídos e completamente falhados, sem o mínimo poder de pontaria.

Aos 10 minutos Charly rematou forte, obrigando Victor a uma defesa de se lhe tirar o chapéu. O Chingale, que tinha outras obrigações, continuou na mó de cima, com ataques sucessivos mas sem veneno porque todos os tiros chegavam sem velocidade suficiente para a baliza de Victor. Foi um sufoco total para os homens de Nacala, que devido à alta temperatura que se fazia sentir na cidade de Tete naquele domingo não conseguiam correr para colocar e travar as jogadas dos inspirados atacantes do Chingale Charly e Tony, que de facto correram muito, mas sem lograr os objectivos.

O treinador do Desportivo de Nacala, Nacir Armando, que estava ainda sentado no banco para estudar o adversário, vendo as coisas mal paradas, preferiu levantar-se para um puxão de orelhas aos seus jogadores. Mas o empate prevaleceu até ao intervalo.

Na segunda parte o Nacala, vendo a pressão do adversário, voltou a concentrar-se na sua defesa, o que permitiu ao Chingale acampar no meio-campo do adversário à procura de um outro resultado, porque o empate não lhe interessava. A crise estava instalada no Chingale, com o banco técnico assumido por Ferreirinha, treinador-adjunto, e Gilberto Fidélis, director desportivo, a trocarem palavras feias perante o público, com o treinador Rogério Marianni fora do banco a cumprir um castigo do Conselho de Disciplina da Liga Moçambicana de Futebol.

Os jogadores do Chingale também, lá dentro do rectângulo de jogos, começaram a trocar palavras, principalmente entre Magaba e Silvério, o que influenciou bastante no rendimento da equipa. Nos últimos dez minutos o Chingale correu atrás do prejuízo, mas nada conseguiu porque mesmo com a baliza aberta e sem adversário os seus atacantes não conseguiram marcar. Para o Desportivo de Nacala, que praticamente já está assegurada a sua presença no próximo Moçambola, pegar um ponto em Tete já era muito bom e foi assim que não se esforçou à procura de um outro resultado melhor.

Os árbitros Samuel Chiridza, José Mula, Adão Tchume e Ribeiro Manuel estiveram bem.

FICHA TÉCNICA

CHINGALE:Goodfrey; Clarêncio, Stélio, Tony, Silvério, Zé (Louis), Luís, Bem Chengo (Parkim), Alone (Magaba), Marlon e Charly.

DESPORTIVO DE NACALA:Víctor; Osvaldo, Tawinha, Billy, Rodjas, Daudo (Jonas), Leonel (Joaquim), Gito, Délcio, Gabito, Elfídio (Lamá).

BERNARDO CARLOS

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 23 Fevereiro 2018
A TRAGÉDIA que se abateu sobre a cidade de Maputo, na madrugada desta segunda-feira, matando 16 pessoas e ferindo outras tantas, em consequência do deslizamento do lixo nas proximidades do aterro de Hulene, chama à atenção para a necessidade de reflectirmos sobre o... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Pressão social empurra meninas para uniões...
Sexta, 23 Fevereiro 2018
Raparigas da localidade de Massaca, distrito de Boane, queixam-se da pressão social e dizem que está na origem dos casamentos prematuros. Com efeito, é-lhes dito que estando no lar vão dignificar a família e a comunidade, e muitas cedem a este conselho que as empurra para um futuro incerto. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 58,31 59,47
ZAR 4,74 4,83
EUR 70,23 71,64

25.01.2018   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

PARECE haver motivos bastantes para emprestar as palavras do polémico ...
2018-02-24 00:30:00
O SONO é um veneno que embriaga, paralisa o corpo, corta os movimentos e guia ...
2018-02-24 00:30:00
“Ide por todo o mundo, anunciai a Boa Nova a toda criatura” – Mc ...
2018-02-23 00:30:00
Há reportagens antigas  – nos jornais e televisões -  ...
2018-02-23 00:30:00
SÓ posso começar o presente texto dizendo mesmo isto: INAE, já ...
2018-02-23 00:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1859 visitantes em linha