Imprimir
Categoria: Desporto
Visualizações: 3314

SE bem que era um jogo em que se supunha que a Liga iria ganhar com facilidade o certo é que a partida teve duas fases diferentes no que concerne particularmente ao domínio das duas formações envolvidas, sendo a primeira sido caracterizada por uma grande acutilância dos jogadores do Desportivo de Nacala que, jogando com coesão e mais inspirados, conseguiram manietar o seu oponente e como fruto disso surgiu aos 15 minutos a primeira oportunidade de os locais adiantarem-se no marcador por intermédio de Daúdo, que na sequência de um cruzamento que partiu do lado esquerdo da defensiva contrária não consegue rematar com êxito.

A outra fase, sobretudo na segunda parte, foi aquela que se notou um domínio da Liga Muçulmana. Como resultado Josimar marca o único golo da partida, na sequência de um livre directo, aos 76 minutos

 Por conseguinte, iniciado o jogo, cedo se verificou a preocupação de os visitantes quererem adiantar-se no marcador e só não concretizaram os golos, porque os locais não admitiram “brincadeiras” na sua própria baliza. Cientes da importância de que se revestia a vitória para a conquista do título, os “muçulmanos” iam exercendo pressão sobre o seu adversário. Aos 17 minutos desfrutaram de mais uma ocasião privilegiada para se colocar à frente do marcador mas Liberty desperdiçou. 

A turma da casa, por seu turno, continuou a criar também perigo junto à baliza contrária. Ou por outra, os locais imprimiram um jogo rápido, tendo na sequência disso estabelecido um equilíbrio no terreno, jogando muitas vezes no meio-campo do adversário, só que não encontravam formas de romper a defensiva contrária. O Desportivo de Nacala teve aos 39 minutos a outra grande oportunidade de violar a baliza de Milagre, mas Daúdo não teve calma e visão necessárias para chutar certeiro. A primeira parte terminou com o equilíbrio a ser nota dominante.   

No reatamento, embora as equipas entrassem com uma nova dinâmica, a verdade é que até aos 76 minutos, altura em que a Liga marca o golo, o jogo continuava a ser disputado sob signo de equilíbrio. Porém, transpareceu que o golo veio criar desânimo e quebra física dos jogadores de Nacala. A Liga Muçulmana poderia ter aumentado a vantagem quando faltavam poucos minutos para o término do jogo por intermédio de Zé Luís, que obrigou Victor a uma defesa apertada. Mas mesmo assim, ajuizando a partida, a divisão de pontos seria o melhor resultado, tendo em conta aquilo que as duas equipas fizeram ao longo dos 90 minutos. 

O árbitro da partida fez um trabalho que podia ter influenciado o resultado, principalmente na primeira parte, em que tomou decisões que transpareceram que favorecia a equipa visitante. As atitudes tomadas pelo árbitro exaltaram os ânimos dos adeptos do Desportivo de Nacala, tendo na sequência disso o jogo ficado parado durante três minutos.  

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO: Arlindo Silvano, auxiliado por Pedro Madala e Célio Magabe

DESPORTIVO DE NACALA - Victor, Magido (Lamá), Mahumane, Todjas, Billy, Délcio, Gito (Essien), Coutinho, Leo e Mboma.

LIGA MUÇULMANA - Milagre, Chico, Sonito, Cantoná (Muandro), Reginaldo (Imo), Liberty, Josemar(Zé Luís), Josephy, Miro, Eusébio e M. Hagi. 

ACÇÃO DSICIPLINAR: “amarelos” para Billy e Coutinho

 MOUZINHO DE ALBUQUERQUE