O FERROVIÁRIO da Beira festejou ontem por antecipação e no campo da União Desportiva do Songo a conquista histórica do Campeonato Nacional de Futebol, ao vencer a equipa local por uma bola a zero.

Dizemos conquista histórica por ser a primeira vez que tal acontece, ainda por cima a uma jornada do fim da prova, na qual vai defrontar no próximo domingo, na sua consagração, a Liga Desportiva, na Beira.

Logo depois do apito final, um minuto depois dos seis de compensação dados pelo árbitro Celso Amaral, foi a explosão de alegria, com os jogadores, equipa técnica, dirigentes e centenas de adeptos que acompanharam a equipa a invadirem o relvado cantando e dançando pela vitória e pela conquista do Moçambola.

Na tribuna de honra os dirigentes do Ferroviário, liderados pelo respectivo presidente, Boaventura Mahave, não cabiam em si de contentes, vendo-se envolvidos em inúmeros abraços e palmadas de felicitações de outros dirigentes presentes.

A festa “locomotiva” estendeu-se para além das quatro linhas e por algumas das artérias da pacata vila do Songo, perante o desalento dos donos da casa.

Do outro lado da bancada era desilusão completa. Artur Semedo e seus colegas da equipa técnica permaneceram no banco muito para além do fim do jogo e quando dentro do estádio já praticamente ninguém estava.

Já fora do recinto, e na presença de um forte aparato policial, os adeptos também não arredavam pé, permanecendo incrédulos e provocando mesmo alguma agitação. Ao que tudo indicava queriam pedir contas ao treinador.

 

O JOGO

A equipa da casa entrou a pressionar e podia ter marcado logo aos seis minutos, quando Soarito saiu em falso e teve que ser Amorim a salvar, numa altura em que todo o banco do Songo já estava de pé, pronto a festejar.

A pressão continuou resultando em pelo menos dois pontapés de canto, mas sem qualquer efeito prático, pois a defesa “locomotiva”, superiormente comandada por Cufa, aliviava tudo.

A resposta do Ferroviário só viria a surgir aos 11 minutos, quando num contra-ataque Dayo isolou-se, fintou o guarda-redes Swini mas no momento do remate permitiu a intervenção de um contrário.

No contra-golpe, Luís, muito policiado neste jogo, quase marcava, mas não teve a destreza necessária para bater Soarito.

Aos 29 minutos surgiu o golo do Ferroviário por intermédio de Moniz, que acabara de entrar para o lugar do lesionado Mfiki num lance de contra-ataque.

O Songo ressentiu-se disso e acelerou à busca do empate de todas as formas mas a postura defensiva do adversário não permitiu veleidades até ao intervalo.

O segundo tempo começou com a equipa da casa novamente ao ataque e à procura, “por terra, ar e mar”, o golo do empate, mas o “patrão” Cufa comandava os seus colegas para este importante triunfo.

Aos 76 minutos Tony teve também o golo nos pés, mas desta vez Soarito afastou a bola para canto.

O Songo tanto atacou que em determinados momentos desguarneceu a sua baliza e podia ter sofrido o segundo, o que não aconteceu por alguma imperícia dos avançados “locomotivas”.

O jogo viria a terminar com a vitória da equipa visitante, que conseguiu manter o resultado mesmo perante os seis minutos de compensação que o árbitro deu.

No cômputo geral, diríamos que o Ferroviário ganhou bem este jogo porque soube marcar e defender-se, mas pelo que fez o Songo podia ter conseguido outro resultado, o que não seria de modo algum um escândalo.

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO: Celso Amaral, coadjuvado por Arsénio Marrengula e Lúcio Namarrói

UD SONGO: Swini; Sataca Jr, Mano, Mucuapele, Tony, Tchitcho (Jacob), Kambala, Cremildo, Banda (Lanito), Chereque (Bongane) e Luís.

FER. BEIRA: Soarito; Hagy, Amorim, Cufa, Edson, Dayo, Fabrice, Thomas, Maninho, Mfiki (Moniz e depois Mussa) e Nelito (Ricardo).

ACÇÃO DISCIPLINAR: Cartões amarelos para Soarito, Amorim, Hagy, Fabrice e Thomas, do Ferroviário, e Cambala, da UD Songo

 

ELISEU BENTO

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 23 Fevereiro 2018
A TRAGÉDIA que se abateu sobre a cidade de Maputo, na madrugada desta segunda-feira, matando 16 pessoas e ferindo outras tantas, em consequência do deslizamento do lixo nas proximidades do aterro de Hulene, chama à atenção para a necessidade de reflectirmos sobre o... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Pressão social empurra meninas para uniões...
Sexta, 23 Fevereiro 2018
Raparigas da localidade de Massaca, distrito de Boane, queixam-se da pressão social e dizem que está na origem dos casamentos prematuros. Com efeito, é-lhes dito que estando no lar vão dignificar a família e a comunidade, e muitas cedem a este conselho que as empurra para um futuro incerto. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 58,31 59,47
ZAR 4,74 4,83
EUR 70,23 71,64

25.01.2018   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

PARECE haver motivos bastantes para emprestar as palavras do polémico ...
2018-02-24 00:30:00
O SONO é um veneno que embriaga, paralisa o corpo, corta os movimentos e guia ...
2018-02-24 00:30:00
“Ide por todo o mundo, anunciai a Boa Nova a toda criatura” – Mc ...
2018-02-23 00:30:00
Há reportagens antigas  – nos jornais e televisões -  ...
2018-02-23 00:30:00
SÓ posso começar o presente texto dizendo mesmo isto: INAE, já ...
2018-02-23 00:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1962 visitantes em linha