A REDUÇÃO da dependência do país em relação à importação de carne afigura-se como uma das apostas do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA) para os próximos tempos.

Para tal, está já em curso um trabalho de melhoramento genético do gado bovino nacional.

A vice-ministra do sector, Luísa Meque, que há dias esteve na província de Sofala, disse que aquela região está a registar um grande sucesso na inseminação artificial para o melhoramento genético tendo já sido feitas 500.

Actualmente, segundo a governante, o país possui pouco mais de um milhão de bovinos mas, mesmo assim, continuamos a importar a carne. É neste contexto que, segundo Luísa Meque, há que se trabalhar para inverter o cenário, potenciando diversas áreas, desde o melhoramento de espécie, provimento de medicamentos, entre outros, para que o país possa atingir a competitividade no mercado internacional.

Na sua visita a Sofala, a vice-ministra também ficou satisfeita com a produção agrícola que, no seu entender, será dinamizada com a entrada em funcionamento da futura fábrica de processamento instalada no posto administrativo de Tica, no distrito de Nhamatanda, a sensivelmente 70 quilómetros da cidade da Beira.

A seguir as partes mais significativas da entrevista concedida pela vice-ministra da Agricultura e Segurança Alimentar.

Notícias (Not.)- O que se pode dizer depois de visitar esta província?

Luísa Meque (LM)– Primeiro, devo dizer que visitámos esta província, concretamente os distritos de Nhamatanda e Búzi, onde avaliámos a campanha agrária 2014/2015. Verificámos como é que o nosso sector está em termos de implementação das actividades planificadas.

Especificamente, podemos dizer que em Nhamatanda conseguimos ver com satisfação o que está a ser feito, tanto na área agrícola, como na produção pecuária, pois estamos na perspectiva do aumento da produção e produtividade ao nível do nosso sector.

Not. -Particularmente Nhamatanda…

LM- Sim. Em Nhamatanda, visitámos a futura fábrica de processamento de tomate e legumes. Apercebemo-nos de que esta produção de hortícolas, sobretudo tomate, não está a ser devidamente aproveitada por falta de uma unidade de processamento como a que já está pronta.

Nós sentimos que aquilo que está a ser produzido localmente pode ser conservado, porque os produtores conseguem muita quantidade, mas parte considerável está a apodrecer por falta de processamento e conservação. Também, a mesma fábrica vai servir para o processamento dos vegetais.

ESFORÇO NAS TECNOLOGIAS

Not.- No distrito do Búzi também visitou alguns projectos no âmbito do PITTA (Programa Integrado de Transferência de Tecnologias). Quais as constatações?

LM-Sim. Visitámos alguns projectos e produtores no âmbito do PITTA e notámos que os pacotes que vêm sendo desenvolvidos a nível do nosso sector estão a ser aplicados com muito esforço do Governo, no sentido de fazer passar essas tecnologias para o sector familiar.

Isto significa que os produtores estão a acatar as regras e, consequentemente, a produção e produtividade estão a aumentar. Fora disso, também notamos que a produção do frango a nível dos produtores que visitámos também está aumentar e eles próprios conseguiram mostrar aquilo que são as vantagens da sua produção. São pequenos produtores que começaram com a criação de 500 pintos, mas que já estão a melhorar cada dia que passa.

Outro aspecto que constitui motivo de orgulho é a produção e processamento do arroz pela empresa Cherimónio, de capitais chineses. Aliás, Búzi possui um grande potencial orizícola.

Not.- Em Nhamatanda também visitou produtores de gado de corte. O que há de concreto?

LM-Efectivamente. Visitámos produtores que estão muito focalizados no melhoramento genético dos animais. Se estamos a apostar na produção de carne nacional de modo a diminuir a dependência externa, então, também devemos melhorar a questão genética.

Os criadores já estão a tomar a consciência deste aspecto de melhoramento genético e estão a usar uma das tecnologias que é a inseminação artificial. Um dos criadores já tem 500 nascimentos por via de inseminações. Ficámos bastante entusiasmados com isso.

O criador Kennett Mac Carter é um grande exemplo de melhoramento genético através das raças como brahman, boran e beefmaster.

Então, estamos a ver a massificação deste tipo de aposta de melhoramento genético, tanto no Chimoio, como aqui em Sofala, e vimos que os produtores estão a dar conta do recado na diversificação e massificação daquilo que é o nosso desejo a nível do sector agrário.

CARNE NACIONAL SERÁ COMPETITIVA

Not.- Como será feita essa massificação?

LM -O Governo está apostado para que todos os produtores melhorem as suas condições. Em termos de adesão a este processo, podemos dizer que já temos muitos criadores a seguirem, desde os pequenos, médios e grandes produtores. Só na zona sul temos por volta de 30 criadores, mas existem também nas outras regiões do país.

Not. -Apesar do nosso país dispor de um grande potencial pecuário, continua a importar carne. Como reverter este cenário?

LM-Apesar de o nosso país ter um potencial pecuário ainda continua a importar carne. Mas o nosso desafio como sector é trabalhar para reduzir essa importação. É por isso que estamos a trabalhar com todos os produtores para que adiram aos programas existentes como, por exemplo, de engorda para a produção de carne de modo que essa carne seja consumida a nível nacional e seja de qualidade. Queremos que a nossa carne consiga concorrer com a carne do mercado internacional.

Not.- Os produtores debatem-se com a falta de medicamentos veterinários. Quais são as acções que o Governo está a tomar para contrariar esta escassez?

LM-A nível do Governo temos plasmado um programa sanitário e dentro desse programa existe um calendário das aquisições dos medicamentos necessários.

Também inclui a parte profilática, produção de vacinas. De referenciar que a nível de Moçambique já se produzem vacinas obrigatórias que são administradas no país. Portanto, nós já estamos a trabalhar com alguns medicamentos produzidos internamente. É lógico que estamos a trabalhar no sentido de que todos os produtores possam adquirir os fármacos em tempo útil e cada vez mais próximo das suas áreas de trabalho.

António Janeiro

Mais recentes

Breves

Editorial

Editorial
Sexta, 22 Setembro 2017
O Governo decidiu, esta semana, avançar com uma proposta legislativa que preconiza um conjunto de medidas económicas destinadas a proteger o mercado, estimular novos investimentos, incentivar o consumo de matéria-prima local, alargar a base tributária e criar mais... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
CLIKADAS - Nunca é tarde !
Sábado, 23 Setembro 2017
“NUNCA é tarde”, ouve-se corriqueiramente este ditado popular mas, não obstante, estamos, sobretudo no meio urbano, pela sua dinâmica, sempre “stressados” para cumprir as metas que nunca acabam. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,77 61,93
ZAR 4,65 4,74
EUR 72,73 74,12

14.09.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HOJE o assunto é o futebol, por duas motivações. A primeira, ...
2017-09-22 23:30:00
UM dos meus falecidos mestres de Jornalismo, o Augusto de Carvalho, disse um dia ...
2017-09-22 23:30:00
MATEI todos os estudantes que estavam na sala de aulas, um a um. Alvejei sem mirar, ...
2017-09-22 23:30:00
DEVERAS horripilante o que aconteceu, semana passada, na Escola Secundária de ...
2017-09-21 23:30:00
FOI mais ou menos desta forma que minha filha “entrou” nas ...
2017-09-21 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2429 visitantes em linha