O MALAWI aconselha os seus cidadãos a não utilizarem o corredor entre as cidades de Tete e Chimoio, alegando haver guerra em Moçambique.

O facto já foi descrito como desinformação, uma vez que camiões malawianos circulam diariamente no mesmo troço, sem escolta.

O Ministro malawiano dos Negócios Estrangeiros, Francis Kasaila, alertou aos concidadãos que vão para a África do Sul por estrada para evitarem o uso daquela rota em Moçambique.
O alerta do ministro acontece depois de a Polícia moçambicana ter alvejado mortalmente quatro malawianos no distrito de Báruè, em virtude de o motorista da viatura em que estes viajavam, no passado dia 24 de Abril, ter desobedecido à ordem da corporação para imobilizar o veículo.

Para o chefe da diplomacia malawiana, os quatro cidadãos do país morreram devido à alegada guerra em Moçambique, omitindo deste modo as reais causas da ocorrência, mesmo sabendo que camiões malawianos circulam diariamente, sem escolta, entre o Malawi e o Porto da Beira e vice-versa.

Os quatro mortos faziam parte de um grupo de vinte e quatro jovens malawianos que viajavam à noite numa viatura de caixa aberta com destino à África do Sul, quando foram interpelados pela Polícia moçambicana no distrito de Báruè.

Kasaila revelou também que o seu país já pediu a Moçambique para investigar a morte dos quatro malawianos, cujos corpos chegam ainda esta semana àquele país.

Entretanto, o chefe da diplomacia malawiana apelou às autoridades tradicionais, funcionários públicos e outras individualidades para sensibilizarem os jovens sobre os riscos de viajar para a África do Sul à procura de emprego sem os devidos procedimentos.
“Na legislação malawiana é ilegal facilitar a viagem dessas pessoas para a África do Sul sem a devida documentação, porque isso é tráfico de pessoas. Por isso devem ser tomadas medidas adequadas”, disse Kasaila.

No entanto, alguns malawianos se recusam a acatar o apelo do Governo e aventuram em viagens para a África do Sul, via Moçambique, alegadamente em busca de melhores condições.

Eles alegam que o Malawi vive uma crise económica e olham para a África do Sul como um paraíso para a melhoria das suas condições de vida.

SERVIÇO DA RM, Lilongwe

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 17 Novembro 2017
OS ACONTECIMENTOS que o município de Nampula vive, desde o assassinato de Mahamud Amurane, a 4 de Outubro, acinzentam a democracia moçambicana, numa altura em que o sistema caminha de forma irreversível para a sua consolidação. Governar é uma ciência... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
CIDADE DE MOCUBA: Governo mobiliza fundos para...
Terça, 14 Novembro 2017
O governo provincial da Zambézia está a mobilizar recursos financeiros para resolver, de modo definitivo, a crise de água potável que afecta cerca de cento e vinte mil munícipes da cidade de Mocuba, há mais de 20 anos. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,29 61,43
ZAR 4,28 4,36
EUR 70,24 71,57

06.11.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

NA minha permanente nostalgia da infância, lembro-me que era costume a ...
2017-11-17 23:30:00
ELE não estará na cerimónia. A irmã mais nova ...
2017-11-17 23:30:00
CONTA-SE que no último dia de um certo ano lectivo, algures numa escola ...
2017-11-17 23:30:00
ISTO tudo parece um filme com legendas surpreendentes. Sou sempre encontrado em ...
2017-11-16 23:30:00
TODOS os anos, por estas alturas, soa, tristemente, a mesma lenga-lenga. O que ...
2017-11-16 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2329 visitantes em linha