MOÇAMBIQUE prevê arrecadar 16 mil milhões de dólares norte-americanos de receitas provenientes do projecto de gás natural liquefeito do Coral Sul, na província de Cabo Delgado.

Fábio Castiglioni, director-geral da petrolífera italiana ENI, empresa a quem o Governo concedeu o direito de exploração do projecto para os próximos 30 anos, disse ao “Notícias” que este valor resultará do pagamento de impostos, regalias, reembolso sobre renda e parte do gás pertencente ao Estado moçambicano.

A fonte, que falava por ocasião da realização da 53ª Edição da Feira Internacional de Maputo (FACIM 2017), explicou que o projecto, a ser instalado na Área 4 da bacia do Rovuma, envolve a perfuração de seis poços de produção, conectados a um sistema de produção submarino e a uma plataforma flutuante de LNG que, por sua vez, terá uma capacidade para produzir mais de 3,4 milhões de toneladas de gás natural liquefeito (LNG) por ano.

A empresa já assinou acordos para a implementação do projecto com 15 bancos e, neste momento, tem disponível parte considerável do montante necessário.

"As perfurações dos poços vão arrancar no próximo ano. Neste momento a empresa está numa fase de elaboração da engenharia detalhada e prevemos que a construção da plataforma de LNG inicie também em 2018", disse Fábio Castiglioni.

O GNL no Coral Sul é uma exploração importante para Moçambique e para a região, sendo a primeira infra-estrutura flutuante de Gás Natural Liquefeito a ser construída em África.

O gás será vendido, na sua totalidade, à multinacional BP, que em Outubro do ano passado assinou, para o efeito, um acordo válido por 20 anos com um consórcio.

O plano de desenvolvimento do projecto foi aprovado em Fevereiro último pelo Governo e visa a extracção e liquefação do gás natural usando uma plataforma flutuante em alto mar.

O investimento total previsto para o mesmo é de cerca de oito mil milhões de dólares, dos quais a ENH deverá desembolsar cerca de 800 milhões de dólares para financiar a sua participação de 10 por cento.

Fábio Castiglioni acrescentou que o projecto poderá criar um total de 820 postos de trabalho, 90 por cento dos quais serão preenchidos por mão-de-obra nacional que, para tal, deverá receber capacitação profissional.

A Área 4 da Bacia do Rovuma é operada pela Eni, com uma participação de 70 por cento, enquanto a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), a Galp Energia e a Kogás detém, cada uma delas, 10 por cento.

 

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Embaixador da Rússia afirma: Se não tivéssemos...
Segunda, 23 Outubro 2017
DOS conflitos internacionais à política Russa para África, muitos temas podem ser assunto numa conversa com um representante de uma potência mundial. Foi isso que aconteceu na nossa conversa com o embaixador da federação russa em Moçambique. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

E ENTÃO o meu amigo, muito andado pelas tascas de Rossio e do Chiado, a ...
2017-10-23 23:30:00
LOCALIZADA no extremo norte da província de Cabo Delgado, fazendo fronteira ...
2017-10-22 23:30:00
FRETILIN é nome de um dos movimentos que lutaram pela independência de ...
2017-10-22 23:30:00
NA semana passada vimos mais um acto mediatizado de demolições de ...
2017-10-22 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 2191 visitantes em linha