Imprimir
Categoria: Economia
Visualizações: 312

A PRODUÇÃO pesqueira atingiu 340 mil toneladas durante o ano passado na província da Zambézia, com a pesca artesanal a contribuir com 314 mil toneladas de pescado.

Segundo dados revelados esta semana pelo governador, a pesca artesanal desempenha um papel relevante para a economia nacional, uma vez que maior parte da população que habita a zona costeira tem nesta actividade o seu garante da segurança alimentar e nutricional, bem como da solução de outras necessidades.

Abdul Razak disse que o Governo de Moçambique reconhece o desempenho socioeconómico do sector, razão por que vai continuar a fazer o seu melhor para garantir a mobilização de fundos e equipamentos para tornar o sector mais viável do ponto de vista económico.

Intervindo na reunião nacional de co-gestão da pesca de pequena escala realizada na cidade de Quelimane, o governador da Zambézia disse ainda que o Executivo tem estado a apoiar e a incentivar os pescadores para o aumento da produção e produtividade, de modo a que a pesca seja um sector dinâmico no combate à pobreza. Razak referiu igualmente que, para proporcionar maior robustez a este sector, o Governo está a cumprir, no quadro do Programa Quinquenal 2015-2019, um calendário de motorização das embarcações da pesca artesanal, com vista a conferir maior autonomia e segurança no mar.

O secretário permanente do Ministério do Mar, Águas Interiores e Pescas, Narci Premgy, explicou que os maiores desafios da pesca no país têm a ver com a degradação dos ecossistemas, o deficiente monitoramento da pesca artesanal, o desembarque desordenado de produtos da pesca artesanal, aliado à inexistência de infra-estruturas adequadas e à ocorrência de conflitos no acesso aos recursos costeiros e marítimos.

Para ele, o alinhamento nos assuntos de gestão, desde os conselhos comunitários de pesca até aos comités, deve ser aprimorado para melhorar o desempenho do sector.

O objectivo da reunião era adequar o modelo de co-gestão ao contexto actual de desenvolvimento do país, no que à gestão de recursos pesqueiros diz respeito.

Dados anunciados no encontro indicam que o país conta actualmente com mais de 350 mil pescadores artesanais distribuídos pelos principais centros de pesca.

O desafio para os próximos tempos é apostar na pesca em águas do interior onde há um grande potencial de pesca.