Imprimir
Categoria: Internacional
Visualizações: 645

O PARLAMENTO britânico aprovou nesta segunda-feira uma moção não vinculativa que reconhece o Estado da Palestina, o que não deve alterar a posição do Governo sobre o assunto, mas carrega valor simbólico para os palestinos na sua busca de um Estado.

A moção, aprovada por 274 votos contra 12, pede ao Governo conservador do primeiro-ministro David Cameron que "reconheça o Estado da Palestina como uma contribuição para assegurar uma solução negociada" que leve à convivência com Israel com base no princípio de dois Estados, informaram as agências Reuters e France Presse (AFP).

A Grã-Bretanha não classifica a Palestina como um Estado, mas diz que pode fazê-lo a qualquer momento se isso ajudar nos esforços de paz entre os palestinos e Israel.

Os legisladores da Câmara Baixa do parlamento do Reino Unido aprovaram uma moção que declara: “Que esta Câmara acredita que o Governo deveria reconhecer o Estado da Palestina ao lado do Estado de Israel como uma contribuição à garantia de uma solução de dois Estados negociada”.

Os ministros de Governo foram instruídos a se abster e o voto não-vinculativo não forçará o Reino Unido a reconhecer um eventual Estado palestino.

Apesar disso, o Governo israelita advertiu ontem que o voto do parlamento britânico é um acto que pode minar os projectos de paz.

“O reconhecimento internacional prematuro envia uma preocupante mensagem à liderança palestina de que podem fugir às difíceis escolhas que ambos os lados têm de fazer e, na verdade, mina as oportunidades de se alcançar uma paz real”, afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita em comunicado.

Esta aprovação acontece dez dias depois do anúncio feito pela Suécia, criticado imediatamente por Israel, que reconheceu o Estado da Palestina.

No total, a Autoridade Palestina garante que 134 Estados, entre os quais Moçambique, já reconheceram a Palestina.