OS movimentos palestinos Fatah e Hamas assinaram ontem um acordo de reconciliação, numa cerimónia no Cairo, que acaba com a divisão entre ambas as duas facções desde 2007.

O representante da Fatah, Azzam al-Ahmed, e o líder do Hamas, Saleh al-Arouri, disseram numa conferência de imprensa que o primeiro passo para a reconciliação será reforçar o Governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP), que voltou à Faixa de Gaza no dia 2 de Outubro corrente.

“As negociações focaram-se em impulsionar o governo de consenso nacional para que trabalhe com todas as suas competências, tanto na Cisjordânia (governada pela Fatah) como em Gaza (controlada pelo Hamas)”, assegurou Saleh al-Arouri.

Azzam al-Ahmed disse aos jornalistas, depois da cerimónia, que tinha sido alcançado um “acordo completo” para capacitar um governo de unidade nacional para assumir as suas autoridades em Gaza.

O Hamas, vencedor das eleições legislativas em 2006, foi privado da sua vitória devido à pressão internacional, expulsou a ANP liderada por Mahmoud Abbas e as forças de segurança da Faixa de Gaza, à custa de quase uma guerra civil em 2007.

A ANP, uma entidade reconhecida internacionalmente como um pré-Estado palestino independente, é dominada pela Fatah, secular e moderada.

A Autoridade Palestina só exerce o seu poder na Cisjordânia, ocupada por Israel e distante da Faixa de Gaza por algumas dezenas de quilómetros.

Todas as tentativas de reconciliação entre a Fatah e o Hamas, que domina a Faixa de Gaza, falharam desde 2007.

Mas diante do risco de uma explosão social, de um menor apoio do Qatar e da pressão do vizinho Egipto, o Hamas aceitou, em Setembro, o retorno da ANP e o seu Governo a Gaza, onde na semana passada aconteceu o primeiro Conselho de Ministros palestino desde 2014.

O resultado da aproximação entre Hamas e Fatah é primordial para o futuro dos palestinos, em primeiro lugar para os dois milhões de habitantes de Gaza, esgotados por três guerras com Israel desde 2008 e vítimas do bloqueio israelita e egípcio, da pobreza, desemprego e de cortes de água e electricidade.

As divisões palestinas também são vistas como um dos principais obstáculos para encontrar uma saída para o conflito com Israel. – SWISSINFO

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 20 Outubro 2017
O PRESIDENTE da República, Filipe Nyusi, manifestou há dias, e de forma particularmente severa, a sua preocupação em relação aos elevados índices de corrupção que se registam no país, tanto no sector público quanto no... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Caia vira corredor de desenvolvimento
Quinta, 19 Outubro 2017
O ADMINISTRADOR do distrito de Caia, João Saize, considerou, há dias, em entrevista ao nosso Jornal, que nos últimos oito anos a região se transformou num verdadeiro corredor de desenvolvimento, com a entrada em funcionamento da Ponte Armando Guebuza, em Agosto de 2009. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,70 61,84
ZAR 4,43 4,51
EUR 71,53 72,88

11.10.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HÁ alguns anos, o Governo do ex- presidente moçambicano, Joaquim ...
2017-10-20 23:30:00
MAIS um linchamento ocorreu ao princípio desta semana na cidade da Beira, ...
2017-10-20 23:30:00
TURMA, não posso ignorar esta chamada, serei rápido. Enquanto estou ...
2017-10-20 23:30:00
MOCÍMBOA da Praia, na província de Cabo Delgado, está desde ...
2017-10-19 23:30:00
Passam cerca de duas semanas que contei a história onde o personagem ...
2017-10-19 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1584 visitantes em linha