Imprimir
Categoria: Internacional
Visualizações: 538

O VICE-PRESIDENTE do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), João Lourenço, foi sábado eleito presidente do partido, durante o VI Congresso Extraordinário, com uma votação de 98,58 por cento, correspondente a 2309 votos a favor e 27 contra, anunciou a comissão eleitoral. 

De acordo com os números divulgados pela comissão eleitoral, em Luanda, votaram 2342 delegados ao Congresso e registaram-se ainda seis abstenções.

A comissão eleitoral declarou que estas eleições – por voto secreto – foram livres, transparente e justas.

João Lourenço, Presidente da República desde Setembro de 2017, ascende assim à liderança também do MPLA, partido no poder desde 1975.

Durante a manhã, o presidente cessante do MPLA, José Eduardo dos Santos, despediu-se das funções, assumindo que cometeu erros ao longo dos quase 40 anos no poder em Angola, mas garantindo que sai de “cabeça erguida”.

“Não existe, naturalmente, qualquer actividade humana isenta de erros e assumo que também os cometi, pois só deste modo os podemos ultrapassar”, disse o também ex-chefe de Estado angolano (1979-2017), no discurso de abertura do VI Congresso Extraordinário do MPLA, convocado para eleger João Lourenço como novo líder do partido.

“Esta é a minha última intervenção na qualidade de presidente do MPLA”, começou por afirmar, recordando que assumiu aquele cargo em 21 Setembro de 1979, após a morte do então presidente e chefe de Estado (1975-1979) António Agostinho Neto.

“É de cabeça erguida que estou neste grande conclave do nosso partido”, disse ainda, ao dirigir-se aos mais de 2000 delegados, ao mesmo tempo que se assumiu “pronto para passar a liderança do partido ao próximo presidente”, mas sem referir o nome de João Lourenço, vice-presidente e chefe de Estado, que foi eleito líder do MPLA.

“Deixo-vos o meu modesto legado, para que continuem a trilhar os caminhos das nossas figuras”, afirmou, por entre vários momentos de palmas dos delegados.

EDUARDO DOS SANTOS PRESIDENTE EMÉRITO

 O VI Congresso Extraordinário do MPLA outorgou o título de presidente emérito do partido a José Eduardo dos Santos.

Na sessão de encerramento, os delegados ao conclave outorgaram também os títulos de membro honorífico do Comité Central e de militante distinto a José Eduardo dos Santos.

Nas vestes de presidente do MPLA eleito, João Lourenço entregou as medalhas e diplomas correspondentes aos títulos atribuídos a José Eduardo dos Santos, assim como o cordão de presidente emérito.

 

O conclave decorreu sob o lema “MPLA com a força do passado e do presente, construamos um futuro melhor” e, além da eleição de João Lourenço como presidente da formação política, que governa Angola desde 11 de Novembro de 1975, visava ao reforço da unidade e da coesão, assim como do papel de liderança do MPLA na sociedade.