O Ministério da Energia da Namíbia apontou falhas ao petróleo refinado em Angola, referindo que os níveis de enxofre detetados superam as normas internacionais, de acordo com a imprensa local.

"Angola ainda tem combustíveis com níveis de enxofre de 2.000 partes por milhão (ppm), bem acima dos padrões internacionais de 500 ppm. Isto significa que o combustível de Angola não corresponde aos nossos padrões", disse o diretor-adjunto do Ministério para a regulação, conformidade e economia do departamento dos assuntos petrolíferos, Carlo McLeod, citado pelo jornal diário The Namibian.

"A Namíbia é um importador líquido de produtos petrolíferos refinados. Daí, ao importar produtos petrolíferos, o país precisa de aderir às obrigações regionais e internacionais para diminuir as emissões de carbono e pela necessidade de proteger o ambiente", explocou McLeod.

Ainda assim, o responsável acredita que a situação vai mudar nos próximos meses, com a abertura de uma nova refinaria em Lobito e com a melhoria da actual refinaria em Luanda.

"Entre outras razões, esta nova refinaria vai ser construída para processar o petróleo de crude angolano até produtos refinados, que correspondam às normas europeias e americanas", reforçou.

Em Junho de 2013, o antigo ministro namibiano da Energia, Isak Katali, e o antigo ministro angolano do Petróleo, José Maria de Vasconcelos, assinaram um memorando de entendimento para facilitar o fornecimento de petróleo por parte de Angola.

O acordo entre os dois países não chegou a ser assinado, pois os apoiantes do Presidente namibiano, Hage Geingob, consideraram que o negócio tinha contornos obscuros.

A Namíbia pretendia comprar petróleo de crude mais barato a Angola, para depois o refinar através de outras parcerias estrangeiras no Dubai.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction