Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Opinião

Politica

O COORDENADOR interino da Renamo, Ossufo Momade, solicitou ontem ao Presidente da República, Filipe Nyusi, a correcção das nomeações interinas dos oficiais do seu ...

quarta, 19 dezembro 2018
Leia +

Nacional

Autárquicas 2018

A VOTAÇÃO nas oito mesas cujos resultados foram anulados pelo Conselho Constitucional na autarquia de Marromeu, em Sofala, deverá ser repetida até ao dia 25 de Novembro ...

quinta, 15 novembro 2018
Leia +
Pub
SN

Desporto

O DESPORTIVO de Maputo regressa ao Moçambola no próximo ano, depois da deliberação a seu favor do “caso Siaw” pelo Conselho de Disciplina da ...

quarta, 19 dezembro 2018
Leia +

Economia

O SECTOR privado considera que a liderança do Presidente da República, Filipe Nyusi, no processo de reformas mais sensíveis, no âmbito do Diálogo ...

quarta, 19 dezembro 2018
Read more

Tecnologias

A ocorrência da seca cíclica, que caracteriza a zona sul, particularmente, já requer tomada de medidas adequadas para a manutenção e protecção de ...

quarta, 19 dezembro 2018
Leia +

O PRESIDENTE da República, Filipe Jacinto Nyusi, disse, domingo, em Dar-es-Salaam, Tanzania, que Moçambique está calmo e estável, sendo que o desafio actual e permanente é a manutenção da paz como pressuposto fundamental para o desenvolvimento do país.

Falando numa audiência com diplomatas de países africanos acreditados na Tanzania, o Chefe do Estado, que efectua uma visita de Estado de três dias a este país, referiu-se às eleições gerais de 15 de Outubro de 2014, afirmando que elas foram consideradas pela comunidade internacional como tendo sido justas e transparentes e decorrido num ambiente ordeiro. Disse que o Conselho Constitucional (CC) proclamou a sua vitória nas presidenciais e a do seu partido, a Frelimo, nas legislativas, que a permitiu estar no Parlamento com a maioria dos 250 deputados, seguido da Renamo e MDM, também concorrentes às eleições.

A primeira vez que Filipe Nyusi se reuniu com diplomatas africanos na Tanzania foi durante a pré-campanha eleitoral, aos quais deu a conhecer as linhas de força do seu projecto de governação. Na circunstância, os diplomatas colocaram ao candidato algumas preocupações, uma das quais a paz e a estabilidade do país.

O Presidente da República afirmou que, em Moçambique, o poder conquista-se por vias democráticas e que neste momento as instituições legalmente estabelecidas, a exemplo da Assembleia da República, estão em funcionamento. Disse que o Governo tem estado a gerir as reclamações da Renamo, com o esforço centrado no diálogo.

Informou que na área económica as atenções do Governo estão viradas na manutenção de um crescimento na ordem de 7,5 por cento, alcançado o ano passado. Assegurou que Moçambique continuará a fazer parte dos fóruns internacionais como as Nações Unidas, a União Africana, a SADC, entre outros organismos.

No quadro da recente cimeira de Chefes de Estado e de Governo da região realizada em Harare, a capital zimbabueana, sobre a industrialização, afirmou que Moçambique apoia esse desiderato e irá avançar com actos concretos com vista a tornar a zona industrializada.

ABANDONAR RECLAMAÇÕES E LIDERAR PROCESSOS

Na União Africana, disse que Moçambique defende a unidade do chamado continente negro, em paz e estabilidade rumo ao desenvolvimento, trabalhar com todos os países africanos para a prevenção e resolução pacífica de conflitos. Condena todo o tipo de terrorismo e actos visando alcançar o poder por vias antidemocráticas.

Na ocasião, alguns diplomatas colocaram questões ao Chefe do Estado, dentre as quais o pensamento dos líderes africanos sobre as trocas comerciais entre os seus países, passos para a redução da dependência em relação às nações desenvolvidas, investimentos que estão a ser feitos para garantir uma educação de qualidade, pesquisas científicas em vários domínios, igualdade de género, gestão de recursos naturais para que sejam uma bênção e não maldição, entre outras preocupações.

Em resposta, o Presidente da República disse que não é um profeta para África e os seus problemas, acrescentando que as observações e questões levantadas ajudam a uma reflexão em grande, sobretudo tendo em conta que Moçambique iniciou um novo ciclo de governação.

Filipe Nyusi frisou que os povos africanos devem deixar de reclamar e passarem a liderar os processos de desenvolvimento. Sobre as trocas comerciais, indicou que o primeiro passo é garantir que a produção interna para o consumo seja suficiente, devendo investir-se na produtividade com recurso às tecnologias apropriadas.

Sublinhou que no quadro do seu programa, o Governo está a incentivar a produção e a produtividade, para garantir a competitividade no mercado internacional. A aposta na promoção de pequenas e médias empresas constitui outro dos objectivos plasmados no programa quinquenal de governação.

A educação é um sector de capital importância para a vida do país, sendo por isso que o novo ciclo de governação criou o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano. Neste quadro, as atenções do Executivo estão centradas na garantia duma educação de qualidade, destacando-se a formação de professores e de gestores da educação, bem como o investimento em infra-estruturas escolares e o respectivo apetrechamento.

No que diz respeito à promoção do género, o Chefe do Estado afirmou que Moçambique está no bom caminho, apesar de ainda não ter atingido grandes índices. Disse que a mulher moçambicana está a alcançar enormes progressos em diversos domínios, com destaque para os centros decisórios.

FELISBERTO ARNAÇA, em Dar-es-Salaam


 

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction