Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

No encontro que o Presidente da República manteve há pouco mais de uma semana, em Roma, com a comunidade moçambicana residente na Itália, estavam cidadãos italianos. Uns por serem simplesmente amigos de Moçambique e/ou com interesses aqui ou ainda aqueles que regressaram ao solo pátrio casados com as nossas compatriotas, depois de anos de trabalho no país. Muitos estarão recordados que na década de oitenta, sobretudo, o país acolheu “cooperantes” italianos envolvidos em grandes obras de engenharia, como as principais valas de drenagem que a cidade de Maputo tem, as barragens de Corrumana e dos Pequenos Libombos, a expansão da rede de telecomunicações, entre outras áreas. Leia mais

Comments

CONSONÂNCIAS: Galinhas de “permanente”

 

QUANDO caía a noite, todos se juntavam à volta da fogueira. As palavras mágicas: “era uma vez”, suscitavam um tremendo alvoroço na turma da criançada, da qual eu fazia parte, muito antes de colocar os meus pés na escola convencional. - Leia mais

 

Comments

SABE, já estava cansada. Fui falar com o vovó Maurício. Fiz a mesma pergunta: porquê o meu irmão já não fala?

O velhinho olhou-me e disse:

- Filha, se quiseres saber algo sobre alguém, deves perguntar a esse alguém.

-Não percebi vovó. O que disse? 

- Pergunta ao teu irmão por que já não fala, vai dizer-te.

Saí dali a correr, eram 17:00 horas. Tinha de tomar banho. Mamã como me esfregou!!! Disse que meus pés estavam muito sujos.

Jantamos, era domingo, e ouvimos histórias no Xirico. Fiquei com sono, dormi enquanto as pessoas da rádio ainda falavam.

No dia seguinte, enquanto comíamos xiquento na panela, ganhei coragem e perguntei porque ele não fala. Mano me olhou, ficou calado por muito tempo. Meti a minha colher na panela e na boca umas 10 vezes e Paulito não dizia nada.

Meu irmão como é teimoso, pensei que falaria, mas não falou. Paulito pegou na minha colher, bateu com um dedinho a minha mão e levou a panela que tinha caril de couve e arroz misturado.

 - Mano, depois me dá a panela para eu lamber aquelas partes de cima que eu gosto.

- Não!

- Mano falaste! Mano Paulito, falaste!

- Fatiminha, eu não preciso falar. Vovó Maurício disse que Deus está a escutar tudo que falo.

- Mas como esse senhor te escuta a falar?

- Vovó disse que ele está em todo lugar, escuta tudo, falamos com ele quando estamos de joelhos. Para falar com ele não precisamos abrir a boca.

- Esse Senhor deve ter orelhas grandes ou muitas orelhas.

- Cala, ele está te escutar agora.

- Desculpa.

- Eu só vou falar com todos quando Deus falar comigo.

- Mas já falaste comigo.

- Cala!

Quando sai dali, nem corri, fechei a boca e disse que também não quero falar.

Hélio Nguane

Comments

OLIVER “Tuku” Mtukudzi, a estrela da música zimbabweana e, porque não, africana, completa exactamente hoje 66 anos de vida - uma vida de sucesso, diga-se.

Por essa razão e como minha singela homenagem, decidi resgatar uma crónica que escrevi há vários anos inspirado numa de entre várias entrevistas que o artista me concedeu, numa das suas demais passagens pela cidade da Beira.

Para um artista, ou para uma pessoa com o sucesso que fez ou faz, Tuku é, para mim, a personificação da humildade e da simplicidade.

E se a humildade ainda é a parte mais bela da sabedoria, como o provérbio enuncia, só posso dizer que Tuku é um homem de sabedoria, não raras vezes plasmada nas suas composições.

Aliás, numa dessas entrevistas lembro-me de ter dito que até pastores têm citado as suas letras nas suas homilias. Fantástico!

Trago hoje uma das lições de Tuku, muito a propósito da fama.

Diz o artista que muitos jovens talentosos matam as suas próprias carreiras logo à nascença por falta de humildade. A fama também mata! Defende e exemplifica:

 Se fazem uma música de sucesso, colocam-se logo no lugar dessa música. Passam eles a serem mais importantes do que a música. Eles nessa altura é que vão à frente.

 Atenção: as pessoas gostam do nosso trabalho, gostam do produto e da qualidade do nosso trabalho, não gostam de nós!

 São capazes de te ignorar e virar mesmo a cara numa paragem de mini-bus, por exemplo, acelerando até as tuas luxuosas e potentes viaturas a caminho de uma qualquer discoteca ou de um espectáculo onde vão ouvir e dançar a tua música!

Temos que ter cuidado, gostam da nossa música! Não gostam de nós!

O que os jovens têm que fazer então? Eis a questão!

Deixar a sua música brilhar! Voltem para casa e se dediquem mais ao trabalho. Não se ponham no lugar da vossa música, do vosso trabalho ou do produto do vosso trabalho.

Pessoalmente, luto todos os dias por ser o mesmo Oliver Mtukudzi que saiu do ventre da minha mãe. O que pode mudar ou mudou e espero que continue a mudar é a qualidade do meu trabalho. Eu sou o mesmo!

Para que eu percebesse melhor, Tuku não me poupou. Nos seguintes termos:

Mesmo tu, como jornalista, pensas que as pessoas gostam de ti? Nem sempre. Gostam daquilo que fazes, meu caro. Sabem que podes promove-las, podes falar publicamente bem delas, mas podes ter a certeza que no dia em que deixares de ser jornalista, acabou!

Escusado dizer que só tinha que concordar com ele. Não podia estar tão certo.

Calaram-me realmente muito fundo estas palavras do grande Tuku.

 Lembrei-me então dos muitos exemplos que tenho no meu pais de jovens talentosos que se precipitam e acabam atrapalhando as suas próprias carreiras porque o que lhes falta na humildade lhes sobra na arrogância.

Obrigado, Tuku, por estas lições de vida. Muitos parabéns pelos teus 66 anos e que continues a nos brindar com a tua boa música e com a tua humildade.

Eliseu Bentoa

Comments

O WASHINGTON Post apareceu com este título de capa quando Donald Trump foi proclamado vencedor das eleições presidenciais americanas em 2016. E dizia tudo. Era a incredulidade em si, sintentizada num título por demais criativo. Um título escarrapachado ao lado da foto do magnata que iria dirigir a poderosa nação. Voltei a ouvir a mesma expressão – de muitas mentes - quando alguém quis comparar o Presidente Nyusi à Jesus Cristo. Aliás quando se fez essa afirmação, essas mentes apenas diziam: Oh my God! E quero acreditar que o bom do jovem do planalto, ele próprio, deve ter dito isso também: Oh my God! Pode ter sentido enorme desconforto ao quererem lhe igualar a alguém inexcedível.

Jesus Cristo ao despedir-se dos seus apóstolos, em Galileia, onde com eles voltou a encontrar-se depois da ressureição ao terceiro dia, após a sua morte, disse-lhes, e eu cito de memória: “eis que eu vou, mas voltarei para vos buscar, um a um, para casa do meu pai, onde vou vos preparar um lugar, aliás vocês conhecem o caminho”. Um dos apóstolos perguntou à Jesus: “como é que nós vamos conhecer o caminho se nem sabemos aonde vais”? E o filho do homem voltou: “eu sou o caminho e a verdade, ninguém chegará ao meu pai que não seja através de mim”. Outro apóstolo ainda  dirigiu-se ao Mestre e disse: “Jesus, mostra-nos o teu pai, que a nós bastará”. E Jesus respondeu: “quem vê a mim, vê o meu pai”.

“Quem vê a mim, vê o meu pai”. Isto quer dizer que Jehová se tinha esvaziado em Jesus. Deus tinha dado ao seu filho todos os poderes da palavra da vida. Significa também que Jesus é único. Ele é o nosso Salvador, e ninguém poderá ser comparado àquele que tem o poder de movimentar montes e montanhas. De dar ordens para os ventos fustigarem. De implantar a fúria nos mares. E de prover amor e perdão. Só Deus e seu filho podem fazer isso. À nós os terrenos o que nos resta é lutar por nos redimirmos dos pecados e pedir perdão.

Ainda há dias ouvi uma conversa que gravitava à volta do Papa, e dos escândalos do Vaticano, recorrentemente relatados na imprensa. Nessa troca de impressões alguém dizia que Deus está mais próximo dos homens do que aquele a quem os católicos chamam Sua Santidade. E dizia mais: “aquele que de vez em quando espreita pela janela de um edifício de extrema luxúria para acenar aos turistas, dá a impressão de estar a um nível superior ao próprio Jesus”.

 O filho do homem recusava-se a ser chamado Santo, porque segundo ele, enquanto estivesse a pisar a terra, estava exposto ao pecado. Mas o Papa não se incomoda com tão grandiosa mensão.

Para os interlocutores que estavam conversando, Santo é Deus, seu filho e seus anjos. Sobre a terra não há santos.  Mas eu pessoalmente acredito que o Criador do céu e da terra vai perdoar àqueles que pretendem comparar seu filho amado à qualquer que seja o terrâquio, porque Jesus já tinha dito, pai, perdoai-lhes porque não sabem o que fazem (dizem).

E os mesmos interlocuores rematavam a sua conversa assim: “aos católicos também Deus vai perdoar, certamente, ao chamarem Santo Padre, a um homem susceptível ao pecado, vivendo coberto de ouro, enquanto milhões de pobres, pelo mundo fora, sucubem por não terem uma códea de pão”.

 Oh my God !

Alfredo Macaringue

Comments
Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction