Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Opinião

Politica

UM monumento alusivo ao massacre de Inhaminga vai ser construído, em breve, nesta região do distrito de Cheringoma, na província central de Sofala. O anúnciofoi feito ...

sexta, 22 junho 2018
Leia +

Economia

A Electricidade de Moçambique (EDM) investiu 5 milhões de dólares na aquisição de um transformador de 200 Megawatts visando reforçar a potência de ...

quinta, 21 junho 2018
Read more
Pub
SN

Desporto

A Croácia tornou-se na noite de ontem na quarta selecção a garantir presença nos oitavos-de-final do “Mundial” de futebol que decorre na Rússia, ...

quinta, 21 junho 2018
Leia +

Nacional

O investigador Fernando Jorge Cardoso defendeu ontem que os ataques contra civis no norte de Moçambique são financiados por "radicais islâmicos", com o objectivo de ...

sexta, 22 junho 2018
Leia +

COMPLETADOS três anos desde que tomou posse como Presidente da República, num acto público que teve lugar a 15 de Janeiro de 2015, a acção governativa do Chefe de Estado, Filipe Nyusi, tem, nos últimos dias, sido sujeita a um escrutínio sem precedentes, mas, diga-se, necessário. Aliás, outra coisa não seria de esperar. Nas televisões, rádios, jornais, redes sociais, casas de pastos, mercados e noutros lugares afins “desfilam” as mais variadas opiniões sobre o assunto. Umas a favor, outras nem tanto.

Como observador atento ao que se passa no país, tendo principalmente a minha atenção virada para a forma como o chefe máximo do país lidera os destinos de todos nós, não posso ficar à margem deste importante assunto. Até pela fasquia por ele colocada no momento da tomada de posse, há pouco mais de três anos. Como é público, o PR destacou na ocasião vários assuntos mas com ênfase em três: a reconquista da paz, a prioridade na produção agrícola e o relançamento da economia. Entretanto, poucos meses após a tomada de posse, Nyusi adicionou mais um ponto: o da resolução do problema das dívidas ocultas.

A avaliação sobre a actuação de figuras políticas pode ser, muitas vezes, subjectiva. As conclusões a tirar dessas análises podem ser influenciadas, por um lado, pelas simpatias que o “analista” tem ou pode ter em relação à figura escrutinada. Por outro lado, as conclusões podem ser influenciadas por ausência ou por abundância de dados sobre os quais a análise assenta. Assim, a minha avaliação poderá pecar por defeito, ou seja, pelas simpatias que tenho (ou não) pelo Chefe de Estado. Mesmo consciente dos riscos acima referidos, vou partilhar com o caro leitor as ideias que tenho em relação àquilo que foi a governação do Presidente da República nos primeiros três anos do seu consulado.

Começo pelo dossier da paz. Sobre este importante tema, ressalta em primeiro lugar, contrariamente aos seus antecessores, o gesto de humildade demonstrado por Nyusi ao ter ido a Gorongosa encontrar-se com Dhlakama para com ele falar sobre o que é preciso fazer para se alcançar a paz em Moçambique. Vale também a pena “repescar” uma afirmação do Chefe de Estado a propósito da sua deslocação às matas para se encontrar com o líder da Renamo. Disse ele que preferiu não informar “a ninguém” sobre a viagem porque poderia ter sido impedido de a fazer.

Esta atitude diz muito do seu empenho em encontrar caminhos para se chegar à almejada paz. Diz muito também das diferenças que o separam dos anteriores presidentes sobre a forma como se deve caminhar para acabar com a guerra. Aliás, Nyusi disse reiteradamente que para se alcançar a paz iria para onde fosse necessário; pois Moçambique não é só Maputo, e que ele não deixaria de ser Presidente da República “só” por ir ao encontro do seu interlocutor em vez de ser aquele a ir ao Palácio da Presidência.

Por outro lado, há também que assinalar a forma regular como o Presidente da República vem informando os cidadãos sobre o progresso das negociações com Afonso Dhlakama sobre a matéria. Desta forma, Nyusi presta contas ao seu patrão sobre o que tem estado a fazer neste capítulo. O que é salutar, pois o tema paz é assunto de interesse de todos e, tendo ele prometido que lutaria pelo seu alcance, nada melhor, portanto, que ir nos dizendo como é que as coisas estão a andar.

Outra novidade que merece destaque na procura de paz é o formato por ele (em sintonia com Dhlakama) adoptado para as negociações em curso. Dos diversos formatos anteriores, todos eles mediatizados, o actual caracteriza-se por uma discrição assinalável, o que confere ao processo uma tranquilidade que permite que as equipas trabalhem sem “medo” do escrutínio permanente. É desta forma que de “pequenos em pequenos” acordos, vão sendo concluídos os diferentes e complexos dossiers…

Marcelino Silva

 

Sábados

CLICKADAS

TEMA DE ...

A multiplicidade étnica e religiosa é, sem dúvida, uma ...

...

A busca por um sistema educacional que incluísse as línguas, ...

Conselho de administração

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

Siga-nos

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction