Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Opinião

Politica

O COORDENADOR interino da Renamo, Ossufo Momade, solicitou ontem ao Presidente da República, Filipe Nyusi, a correcção das nomeações interinas dos oficiais do seu ...

quarta, 19 dezembro 2018
Leia +

Nacional

Autárquicas 2018

A VOTAÇÃO nas oito mesas cujos resultados foram anulados pelo Conselho Constitucional na autarquia de Marromeu, em Sofala, deverá ser repetida até ao dia 25 de Novembro ...

quinta, 15 novembro 2018
Leia +
Pub
SN

Desporto

O DESPORTIVO de Maputo regressa ao Moçambola no próximo ano, depois da deliberação a seu favor do “caso Siaw” pelo Conselho de Disciplina da ...

quarta, 19 dezembro 2018
Leia +

Economia

Já estão a caminho de Moçambique duas aeronaves (Boeing 738, com 154 lugares, e outro Q400) com que a Ethiopian Mozambique Airlines , decidiu responder a uma crise ...

quarta, 19 dezembro 2018
Read more

Tecnologias

A ocorrência da seca cíclica, que caracteriza a zona sul, particularmente, já requer tomada de medidas adequadas para a manutenção e protecção de ...

quarta, 19 dezembro 2018
Leia +

DEVO confessar que, esta semana, fiquei um pouco frustrado quando tomei conhecimento de que a  gigantesca ponte,   ainda em construção,  que liga Maputo a Ka-Tembe,  não será atravessada por peões.

Não sei  por que  “carga de água”, convenci-me que iria passear, a  pé, para a  Ka-Tembe, atravessando  a  baía através daquela majestosa infra-estrutura.

Acho que, como eu, muita gente pensava assim. É que sempre imaginei que iria contemplar a  bela baía de Maputo por cima da ponte. Imaginei noites de luar eu ali por cima a  ver a  baía.

E o meu romantismo ficou por terra. Será proibido circular por ali a  pé, diferentemente  do que acontece em várias pontes moçambicanas e muitas outras, aos milhares,   que pelo mundo fora permitem a  ligação entre duas margens do mesmo rio, entre montanhas, etc, etc, algumas das quais autênticas obras-primas.

O responsável da Empresa Maputo-Sul, que faz a  gestão das obras, o engenheiro Silva Magaia, disse-me que o empreendimento foi concebido apenas para a  circulação de viaturas.

Acrescentou que os mentores desta ponte não incluíram os peões por razões de segurança. A zona onde está instalada  aquela ponte também é uma área portuária, donde transitam muitas mercadorias, algumas das quais pertencentes a  entidades públicas e  privadas de países vizinhos.

Por outras palavras, não se incluiu peões na concepção da ponte para evitar roubos. Mas, para além dos roubos, Magaia referiu que também tenta-se evitar que  algumas pessoas escolham aquela infra-estrutura para se suicidarem, lançando-se lá de cima para  as águas do mar.

Com esta última hipótese é que não contava. Seja como for, não concordei, embora não tenha manifestado essa minha discordância porque sabia  que já não há mais nada a  fazer. A ponte está quase pronta e até ao final do presente semestre será entregue pelo empreiteiro chinês às autoridades moçambicanas.

Seja como for, ficaram-me muitas perguntas a  pairar  no meu cérebro.

Será que os automobilistas  estão isentos à vontade de suicídio? Quem tem vontade de morrer, se não for à ponte não irá se matar noutro sitio  qualquer?

São perguntas que não consigo deixar de fazer a  mim mesmo. As respostas são tão óbvias. No entanto, há quem deve estar a  aplaudir a exclusão dos peões na travessia da ponte.

Estes são os donos dos barquitos que actualmente concorrem com os ferry boats da estatal  Transmarítima. Continuarão a  fazer o seu negócio  de transporte de passageiros e carga à vontade como se a ponte não existisse.

É que a  maior parte do povo da Ka-Tembe vai preferir o barco aos transportes públicos terrestres que, como se sabe, cobram mais caro que os barcos. E o preço será agravado porque a  ponte terá portagem nos dois sentidos. Meus senhores, quando pensamos em fazer obras de grande envergadura de utilidade pública como a  ponte da Ka-Tembe,  temos que pensar também nos mais desfavorecidos.

Não podemos construir  uma infra-estrutura  como aquela que vai ser paga por todos nós, através dos impostos, mas que exclua a maioria da população. Não há argumento válido para excluir o povo, o tal patrão de que sempre fala o nosso chefe de Estado.

Lobão João

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction