Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Opinião

Politica

Economia

A Autoridade Tributária de Moçambique (AT) projecta arrecadar cerca de 244,6 mil milhões de meticais (MT) em receitas, conforme proposta da Lei do Orçamento do Estado para ...

quinta, 20 setembro 2018
Read more
Pub
SN

Desporto

A VIGÉSIMA sexta jornada do Moçambola será dominada pelos duelos de equipas que lutam pela manutenção na prova, numa altura em que a “batalha” pelo ...

sexta, 21 setembro 2018
Leia +

Nacional

COMEÇA esta terça-feira o “namoro” do eleitorado ao nível das 53 autarquias do país. Serão duas semanas durante as quais diversas ...

sábado, 22 setembro 2018
Leia +

HÁ dias fui dar ao Posto Policial do bairro de Nkobe, no Município da Matola, no interesse de acompanhar o desfecho de um caso de furto, em plena luz do dia, na residência de um dos meus vizinhos. O protagonista da acção fora neutralizado pela vizinhança que, depois daqueles “açoites de praxe”, administrados com o necessário cuidado para não atingirem o extremo de “justiça pelas próprias mãos”, foi entregue à Polícia, acompanhado do seu principal instrumento de trabalho, no caso uma barra de ferro nervurado de 20 milímetros de diâmetro, com o qual rebentara cadeados e portas até conseguir se introduzir em casa alheia.

À hora em que o assalto se deu, cerca das 17:00, eu não me encontrava em casa, pelo que fiquei a saber de toda a história a partir dos relatos que me foram sendo destilados pelos vizinhos, a maioria dos quais queria saber o que eu penso de o Estado “liberalizar a justiça”, e legitimar a “justiça pelas próprias mãos”. Fui explicando aos meus interlocutores que essa não era, certamente, a melhor solução para o problema; que era preciso ter fé no trabalho da Polícia; que era preciso acreditar na seriedade da corporação enquanto garante da ordem e tranquilidade pública.

Naquele cair da noite, éramos muitos vizinhos na esquadra de Nkobe, todos interessados em ver a cara do bandido, não fosse esta uma das tantas com que a gente se cruza pelas ruas no frenesim do dia-a-dia. Na qualidade de vizinho directo da vítima do roubo, tive o privilégio de acompanhar todos aqueles procedimentos policiais de interrogatório do suspeito e do guarda da residência assaltada. Também acompanhei os depoimentos do casal cuja casa fora assaltada, e todo aquele longo e penoso processo de lavra manual do auto, com o agente a alternar as esferográficas entre o azul, vermelho e preto, para ir fazendo os necessários destaques nos depoimentos que colhia…

Ficamos cerca de duas horas e meia neste exercício, sentados num banco áspero, assistindo o agente a fazer o registo da ocorrência. Por momentos, pensei no quanto jeito daria àquela esquadra e a todas outras que operam naquelas condições, um computador básico, ligado a uma impressora …

Na verdade, foi bom ter estado ali sentado aquele tempo todo, porque permitiu-me perceber um pouco das dificuldades que a nossa Polícia enfrenta para realizar o seu trabalho com a qualidade que todos exigimos. Mas foi marcante para mim ver aquele agente manuscrever pacientemente o auto, em triplicado, usando folhas de papel químico, contando uma história longa de um gatuno que, naquelas circunstâncias, nunca diz coisa com coisa…

Mais do que este sacrifício, também vi o tipo de casos com que os agentes têm que lidar nos nossos bairros, desde os simples episódios de casais no auge da violência doméstica, passando pelos bêbados que chegam à esquadra literalmente “descascados” em actos de pancadaria estimulados pelo álcool, até desaguar nos mais tristes e ridículos casos de furto envolvendo até crianças na flor da idade…

Imaginei, por exemplo, a trabalheira que dá lidar com casos como o daquele jovem pedreiro, embriagado, que chegou à esquadra levado por uma equipa de patrulha que, suspeitando do volume que transportava àquela hora da noite, decidiu submetê-lo a uma revista. Camuflado nas roupas de trabalho do pedreiro, estava metade de um saco de cimento de construção e várias peças de canalização, que a Polícia precisou certificar-se que não tinham sido furtadas. Porém, o suspeito não só não queria colaborar como também embarcou em discursos ofensivos contra os agentes em serviço, atrevimento que estes responderam conduzindo o pedreiro a uma cela para “repousar” por algumas horas, até estar em condições de explicar-se sem perturbar nem pôr em causa o papel da Polícia.

Uma coisa é certa: é preciso “ter fígado” para ser-se agente da Polícia afecto a uma dessas esquadras nos bairros residenciais… A minha vénia!

Júlio Manjate - Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction