O MINISTRO da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, disse que o Governo moçambicano está convencido de que as alterações sugeridas no texto da Pauta Aduaneira e nas respectivas instruções preliminares terão um impacto positivo no processo de arrecadação da receita bem como no incentivo ao desenvolvimento económico e social do país.

Falando ontem na Assembleia da República, durante a apresentação da proposta de revisão da Lei n.º 06/2009, de 10 de Março, que aprova o texto da Pauta Aduaneira e as respectivas instruções preliminares, Adriano Maleiane indicou que o impacto líquido positivo da receita esperada é de cerca de 896.313.341,23 meticais, resultado do efeito combinado da concessão de incentivos e isenções nos sectores económico e social.

Segundo o governante, Moçambique é membro da Organização Mundial das Alfândegas (OMA) e por esse facto a sua legislação aduaneira deve se ajustar ao sistema harmonizado de designação de mercadorias.

“A Pauta Aduaneira em vigor, aprovada pela Lei n.º 06/2009, de 10 de Março, está desactualizada, pelo que a presente proposta de lei tem também como objectivo adoptar a Nomenclatura do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias (SH) – Sexta Edição, versão de 2017”, afirmou Adriano Maleiane, para quem com esta adequação Moçambique ajusta-se às boas práticas e exigências do comércio internacional, principalmente a padronização internacional dos códigos e designação das mercadorias, devido à introdução de novas posições pautais resultantes do desenvolvimento tecnológico e aparecimento de novos produtos no mercado internacional e facilitação da implementação das convenções internacionais de que o país é signatário.

O titular da pasta da Economia e Finanças acrescentou que a proposta de lei, entretanto ontem aprovada na generalidade e por consenso pelas três bancadas parlamentares da Assembleia da República, visa também reforçar e promover o intercâmbio comercial entre os membros da comunidade internacional e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em particular, aprimorar a especificação pautal dos produtos e adoptar as medidas de controlo na importação e/ou exportação de certos produtos com maior perigosidade para a saúde humana.

No essencial, segundo o governante, a proposta de lei pretende dinamizar os sectores da economia nacional, como a Agricultura e Pescas que, de acordo com Maleiane, podem muito rapidamente impulsionar o desenvolvimento do país através da concessão de incentivos na importação de matérias-primas e outros produtos para promover a produção nacional e isentar de direitos aduaneiros a importação de bens e equipamentos especializados através do Sistema Nacional de Saúde.

Nos sectores da Agricultura e Pescas, por exemplo, Adriano Maleiane explicou que se propõe a aplicação da taxa zero ou taxa reduzida na importação de reprodutores, sementes, adubos e equipamentos agrícolas; a isenção de direitos aduaneiros na importação de sistemas de irrigação e seus acessórios; a redução da taxa de direitos aduaneiros de 20 por cento para zero por cento na importação de componentes para a produção de ração avícola e bovina e a introdução de uma subposição pautal para a aplicação da taxa zero de direitos aduaneiros na importação de reprodutores de alvinos.

No sector da Saúde o governante explicou que vai permitir a aplicação de taxa zero de direitos aduaneiros na importação, através do Sistema Nacional de Saúde, de cadeiras de rodas, mesmo com motor ou outro mecanismo de propulsão, artigos e aparelhos ortopédicos ou para fracturas, próteses auriculares e outro material afim, aparelhos para facilitar a audição dos surdos, estimuladores cardíacos, dentes artificiais, material de leitura para deficientes visuais, lentes de vidro e armações de plástico para óculos; bem como integrado no programa nacional de fortificação de alimentos com micronutrientes industrialmente processados e, com vista à redução dos níveis de desnutrição crónica, a redução de direitos aduaneiros de 20 por cento para zero por cento na importação de aditivos para a fortificação de alimentos humanos e animais, tais como sal com iodo e ração avícola e bovina; leite e papas terapêuticos.

Já no sector dos Transportes, a aprovação da proposta vai permitir a introdução de uma taxa de direitos aduaneiros de cinco por cento a 20 por cento na importação de veículos aéreos (helicópteros, aviões e outros), variando de acordo com o seu peso; a isenção de direitos aduaneiros quando tais veículos se destinem ao transporte público de passageiros ou à formação e capacitação de pessoal em aeroclubes.

 Nos contratos de leasing pretende-seincentivar a importação de equipamento e meios de transporte, passando os direitos e demais imposições aduaneiras a serem devidos anualmente, tendo em conta o número de anos do contrato, e introduzir uma taxa de uso, devida pelos bens importados temporariamente, paga a título de direito e demais imposições aduaneiras incidente sobre o valor do seu desgaste por uso no território aduaneiro moçambicano, de acordo com as regras de amortização em vigor.

Ainda ontem a Assembleia da República autorizou, por meio de voto, o Governo a criar a taxa de turismo e a legislar sobre os mecanismos necessários para a sua captação e aplicação, sob forma de decreto-lei. A autorização foi feita através do voto da bancada parlamentar da Frelimo, num acto em que o MDM votou contra e a Renamo se absteve.

A taxa vai incidir sobre o preço total de hospedagem (excluído o IVA) e deverá ser cobrada no acto de pagamento das despesas de alojamento turístico.

O Ministro da Cultura e Turismo, Silva Dunduro, disse, na fundamentação da proposta, que pela sua transversalidade o turismo constitui um grande contributo para a redução das desigualdades sociais, através do desenvolvimento das economias locais e globais. Acrescentou que a dinâmica do desenvolvimento do sector impõe a tomada de providências para responder às exigências cada vez crescentes da concorrência doutros destinos turísticos regionais e internacionais, bem como a sofisticação das exigências e experiências dos viajantes.

Justificando o voto a favor da autorização legislativa para a criação da taxa de turismo, a bancada parlamentar da Frelimo sustentou que as actividades chave que concorrem para o desenvolvimento sustentável do turismo constantes na Política Nacional do Turismo e estratégia da sua implementação visam, entre outras, a promoção e marketing do país; a melhoria da gestão  das potencialidades turísticas e qualidade de serviço e a conservação e preservação dos recursos turísticos.

Para o MDM, o turismo é um sector económico chave com grande potencial para a dinamização da economia nacional e toda a medida tendente a agravar os custos dos serviços do sector é uma intenção clara de inviabilizar o seu desenvolvimento.

Segundo o MDM, não se pode garantir, no âmbito da promoção da imagem e marketing, o saneamento e limpeza nas praias sem nenhuma previsão dos governos locais e autarquias para se beneficiarem da taxa. Considera que, mais do que aumentar as taxas, o desenvolvimento do sector do Turismo pode ser alcançado com uma paz efectiva, livre circulação e segurança de pessoas e bens, melhoria das vias de acesso, redução dos índices de corrupção e desburocratização do Aparelho do Estado.

Por seu turno, a bancada da Renamo considerou, entre outros, que o proponente (o Governo) cingiu-se apenas a fundamentar as razões para a criação da taxa do turismo. Enquanto Moçambique não tiver solução para a paz, segundo a Renamo, nenhuma medida, nem mesmo a taxa do turismo, poderá alavancar a economia, segundo ainda a bancada parlamentar da Renamo, que sustenta que a taxa vai aumentar os preços na área do alojamento em contraste com o fraco poder de compra existente, o que pode fazer com que o turismo seja pouco competitivo.

O plenário da Assembleia da República aprovou ainda, em definitivo, a proposta de revisão da Lei de Protecção, Conservação e Uso Sustentável da Diversidade Biológica.

Versão-Impressa


Mais recentes

Breves

Editorial

Editorial
Sexta, 24 Março 2017
UM dos temas que marcou a actualidade, em Moçambique, é o anúncio da submissão à Procuradoria-Geral da República (PGR) de 138 processos atinentes a obras públicas paralisadas, abandonadas ou inacabadas. Trata-se de empresas que, embora tenham... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
BOAVENTURA MAHAVE E A FASE DE GRUPOS: Temos que...
Terça, 28 Março 2017
VINTE e quatro horas depois de a sua equipa qualificar-se para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos em Futebol e ainda no calor de Monróvia o presidente do Clube Ferroviário da Beira, Boaventura Mahave, acedeu a uma entrevista com o nosso jornal na qual falou da proeza que a sua colectividade acabava de alcançar eliminando o Barrack Young Controllers (BYC)... Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quizenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 68,35 68,45
ZAR 5,48 5,49
EUR 73,84 73,95

27.03.2017   Banco de Moçambique

Temperatura

25.02.2017    INAM

Opinião & Análise

PODE até não ser nova esta maneira de alguns moçambicanos ...
2017-03-28 17:46:00
Há dias estive na Beira e, no pouco tempo que me sobrou fora da agenda formal ...
2017-03-27 23:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 3779 visitantes em linha