Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Abordar o futuro de Moçambique sem cenários de conflitos políticos ou militares é uma das principais recomendações da primeira cimeira sobre a paz e reconciliação nacional, terminada ontem na cidade da Beira, em Sofala.

A este propósito, a coordenadora da Plataforma da Paz e Reconciliação no Conselho das Religiões de Moçambique (COREM), Artemisa Franco, disse que se fala muito de paz no país, “mas precisamos de respostas para a questão sobre o que vai ser de nós sem conflitos, porque até aqui só estamos a gerir conflitos.”

Outro ponto a que Artemisa Franco se referiu como recomendação é a preparação de uma acção colectiva para que o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, saia das matas da Gorongosa porque, no entendimento dos participantes, enquanto ele estiver nas matas não haverá paz efectiva em Moçambique.

A questão veio ao de cima quando do debate sobre o tema “Visualizando o desenvolvimento social e económico futuro de Moçambique sem conflitos armados - A importância e mecanismos para a manutenção da paz efectiva e reconciliação nacional”, apresentado pelo Reitor da Universidade Politécnica, Narciso Matos, e pelo docente da Universidade Católica de Moçambique, Samuel Simango.

Tratou-se de um tema sobre o qual os ânimos chegaram a levantar-se na sala com os representantes das duas maiores formações políticas a trocarem algumas acusações entre si.

Ainda sobre esta matéria, a cimeira abordou a questão do desarmamento das mentes.

Sobre este tópico, o presidente da COREM, Sheik Aminudim, defendeu que “Deus não está a ouvir as nossas orações porque elas não partem dos nossos corações. As nossas orações têm de reflectir as nossas acções. Temos que estar focados naquilo que pedimos.”

Na ocasião, o Professor Narciso Matos fez algumas observações, por exemplo, que era preciso estabelecer um processo de educação para a paz e divulgar os conteúdos dos acordos até aqui assinados.

Outro ponto constante nos compromissos, segundo Artemisa Franco, parte do sentimento de que persiste a exclusão política, económica e social.

Sobre este aspecto, Narciso Matos falou da inclusão de todos na agenda nacional, na implementação dos planos e na partilha dos recursos. “Todos temos que ser iguais”, opinou.

O documento recomenda igualmente que se acabe com a “intolerância política entre os principais contendores no país, a Frelimo e a Renamo”, defendendo o diálogo como instrumento-chave para a paz e reconciliação.

“Temos que ter uma visão partilhada do que queremos. Se assim for, vamos deixar de ter medo da alternância. Desarmar as mentes e lutar por arrefecer as nossas almas. E o diálogo tem que ser permanente. Quando pensávamos que já estávamos em paz depois 20 anos voltamos a ter aquela situação de Muxúnguè”, recordou.

Ainda ontem estavam agendados três temas, “A importância e estratégias de comunicação social para a manutenção da paz efectiva e duradoira ”; “O papel e importância da mulher e criança na paz” e “A importância política da paz no desenvolvimento social e económico para atrair investimentos nacionais e estrangeiros para o país.”

A segunda cimeira do género está marcada para Janeiro de 2019, na província de Cabo Delgado.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction