Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

Opinião

Politica

Economia

A Autoridade Tributária de Moçambique (AT) projecta arrecadar cerca de 244,6 mil milhões de meticais (MT) em receitas, conforme proposta da Lei do Orçamento do Estado para ...

quinta, 20 setembro 2018
Read more
Pub
SN

Desporto

A VIGÉSIMA sexta jornada do Moçambola será dominada pelos duelos de equipas que lutam pela manutenção na prova, numa altura em que a “batalha” pelo ...

sexta, 21 setembro 2018
Leia +

Nacional

COMEÇA esta terça-feira o “namoro” do eleitorado ao nível das 53 autarquias do país. Serão duas semanas durante as quais diversas ...

sábado, 22 setembro 2018
Leia +

É UMA “praga” antiga. Porém, negligenciada, pouco conhecida e pouco divulgada. Trata-se da “striga asiática”, conhecida nos meandros da ciência e da tradição secular, como “pequeno feiticeiro do milho” a quem os entendidos na matéria atribuem os insucessos que se verificam ano após ano na agricultura ao nível da província de Manica e do país em geral.

Trata-se de uma infestante parasitária originária dos continentes africano e asiático que os cientistas concordam que ela constitui um dos importantes constrangimentos à produção e produtividade agrícolas, devido aos impactos negativos que causa à agricultura, afectando sobretudo cereais, com particular incidência para o milho e o arroz.

Na sua actuação, segundo confirmam os técnicos versados em agricultura, ela remove os fotoassimilados da planta hospedeira, desacelerando o seu crescimento. Devido a este seu modo de acção, ela parasita as culturas, antes de emergirem do solo, considerando-se assim uma infestante de difícil controlo através das técnicas comummente utilizadas, principalmente nos países em desenvolvimento, levando a baixa eficácia dos esforços que tem vindo a ser efectuados visando o seu combate e detenção da sua disseminação e prevalência.

O “Notícias” que há dias trabalhou no distrito de Báruè viu, ouviu e foi informado da “striga asiática” e dos seus malefícios na agricultura. Ela tem sido uma das principais causas do insucesso agrário não só na província de Manica, mas igualmente em todo o país. Na província de Manica, os camponeses, a conhecem mas quando aparece nas suas machambas, consideram ser “sinal da pobreza dos solos, ou seja, que os solos estão cansados” e não como parasita, segundo a ciência.

Como forma de evitar o seu “feitiço” abandonam as machambas, migram para outras regiões, onde destroncam árvores e abrem novos campos agrícolas. Embora sem conhecimentos sistematizados, os camponeses conhecem a acção devastadora desta parasita. Pela sua experiência secular, conhecem-na como o “feiticeiro do milho”, mas não sabem ao certo como é que actua. 

Quem despertou a curiosidade tanto da nossa Reportagem, como dos camponeses de Honde, foi o nicaraguense Carlos Sanches, engenheiro agrónomo ao serviço do projecto RAMA-BC, o qual informou no decurso do dia de campo deste projecto, os mecanismos de parasitismo desta planta perigosa, mas que o sector agrário em Moçambique pouco a considera nas suas estratégias de combate às pragas e parasitas na agricultura.

Carlos Sanches lembrou serem “principais técnicas para o maneio desta infestante parasitária, o controlo químico e cultural, através da monda, manipulação do microambiente, irrigação, aplicação de fertilizantes nitrogenados, rotação das culturas, consorciação com espécies não hospedeiras como feijões e promoção de germinação suicida”.

Falando na machamba modelo do produtor familiar Jone Catique Levessene, Sanches reconheceu “que nem sempre essas condições estão a disposição dos camponeses dos países em desenvolvimento, onde a sua acção representa um enorme constrangimento aos indicadores de produção e produtividade”.

Já em Chimoio, o “Noticias” procurou obter a versão da Agricultura sobre esta infestante. O engenheiro José Manuel Silvestre, Chefe do Departamento da Extensão, na Direcção Provincial da Agricultura e Segurança Alimentar, asseverou que apesar de não ter ainda sido avaliadas em termos numéricos, as consequências desta planta, ela tem representado um grande revés à produção e produtividade dos camponeses, contribuindo para os fracos rendimentos que se registam nalguns campos agrícolas ao nível da província.

Indicou que a infestante ocorre em quase todos os distritos da província, apontando como os mais afectados, Manica, Báruè, Sussundenga, Mossurize, Gondola, Macate e Vanduzi, por sinal, os mais produtivos e que constituem a base da segurança alimentar e nutricional das populações da província.

Sem avançar os passos que devem ser seguidos com vista a reduzir o impacto desta infestante e torná-la conhecida como um dos elementos que prejudica a agricultura na província, Silvestre defendeu ser necessário e oportuno começar-se a prestar atenção nesta “praga” que de ano para ano tem estado a causar perdas significativas, porém, não registadas, em termos de rendimentos no seio dos camponeses, sobretudo aqueles que ainda não conhecem, mesmo pela informação tradicional e secular, os seus impactos.

 

origem e efeitos da “feiticeira asiática”

A “striga asiática” também conhecida como “feiticeira asiática” é uma planta aparentemente inofensiva que aparece nas machambas dos produtores como flor. Com folhas e ramos verdes e flores avermelhadas, aparentando “rosas” (ver a foto), a “striga asiática” pode ser vista nas machambas dos produtores em vários pontos da província.

Segundo Sanches, a “striga asiática” é uma planta hemiparasiática da família “broomrape”, originária da Ásia e África subsaariana. Foi introduzida em outras partes do mundo, incluindo Austrália e Estados Unidos da América, sendo forte parasita de milho, arroz, sorgo e cana-de-açúcar, causando muitas vezes, reduções significativas de rendimento.

Em Moçambique, não há dados, mas nos Estados Unidos da América sabe-se que esta “feiticeira” foi descoberta em 1955. É considerada uma praga agrícola invasiva.

Entretanto, nessa altura, uma vigorosa campanha da sua erradicação reduziu a área afectada em 99 por cento para cerca de 3.400 acres, equivalentes a 450 mil hectares, segundo Sanches.

VICTOR MACHIRICA

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction