UM grupo de agricultores mais experientes na produção da batata reno em várias áreas do Município da Vila Ulónguè, sede distrital de Angónia e no distrito de Tsangano, ao norte da província de Tete, está empenhado, desde os meados do primeiro semestre do ano em curso, na produção de nova semente melhorada daquele tubérculo.

O edil da vila Ulónguè, Armando Júlio, afirmou que o programa de produção de semente melhorada da batata reno financiado pelo Conselho de Administração da empresa Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), no âmbito da sua responsabilidade social, está a ganhar uma maior adesão dos agricultores envolvidos na produção do tubérculo.

O presidente do Conselho Municipal da Vila de Ulónguè disse que na recente visita efectuada nos campos de produção da batata reno, cuja época de colheita está em curso, constatou uma grande satisfação dos agricultores.

“Esta alegria traduz logo, à partida, que os resultados de ensaio da nova semente são satisfatórios, pois segundo os produtores conseguem colher batata de boa qualidade em grande quantidade por hectare. O rendimento é bastante positivo” – disse o edil da vila de Ulónguè.

O Conselho de Administração da empresa Hidroeléctrica de Cahora-Bassa disponibilizou para este importante projecto de combate à fome, um valor monetário de cerca de quatro milhões de meticais. Uma parte deste valor, de acordo com o presidente do Conselho Municipal da Vila Ulónguè, em Tete, serviu para a aquisição de cerca de nove toneladas de semente de batata e para assistir aos camponeses envolvidos no programa, bem assim para o recrutamento de dois técnicos agrários com nível médio e básico que vão fazer o acompanhamento directo do projecto.

“A semente melhorada deste tubérculo é comprada no seio dos agricultores privados nos distritos de Angónia e Tsangano, seleccionados pela direcção provincial de Agricultura para o fomento da semente de qualidade melhorada em várias localidades destes distritos potenciais produtores da batata reno” – disse Armando Júlio.

O edil de Ulónguè apontou ainda que o seu executivo está igualmente envolvido no programa de melhoramento das vias de comunicação rodoviária, sobretudo as que ligam aos campos de produção para permitir uma circulação normal de pessoas e bens e o escoamento dos produtos agrícolas.

“Estamos envolvidos na construção da estrada de terra batida da vila à localidade de Campiru e, caso não enfrentamos alguns problemas, esperamos terminar antes do início da época chuvosa. O nosso maior interesse é de reabilitar todas as vias rodoviárias que dão acesso aos centros de produção agrícola para escoarmos de toda a produção” – apontou o edil de Ulónguè.

Entretanto, as comunidades de Campiru estão a dar a sua comparticipação na reparação da estrada, com maior destaque na reposição da ponte sobre o rio Campiru com material local resistente, enquanto se aguarda uma intervenção técnica de grande vulto por parte do empreiteiro a quem foi adjudicada a obra.

BERNARDO CARLOS

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 60,77 61,93
ZAR 4,65 4,74
EUR 72,73 74,12

14.09.2017   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

HOJE o assunto é o futebol, por duas motivações. A primeira, ...
2017-09-22 23:30:00
UM dos meus falecidos mestres de Jornalismo, o Augusto de Carvalho, disse um dia ...
2017-09-22 23:30:00
MATEI todos os estudantes que estavam na sala de aulas, um a um. Alvejei sem mirar, ...
2017-09-22 23:30:00
DEVERAS horripilante o que aconteceu, semana passada, na Escola Secundária de ...
2017-09-21 23:30:00
FOI mais ou menos desta forma que minha filha “entrou” nas ...
2017-09-21 23:30:00