Director: Júlio Manjate   ||  Director(a) Adjunto(a): 

Katembe, do outro lado da baía de Maputo, está mais perto. O sonho virou realidade. A ponte que a liga à cidade de Maputo e não só éuma obra de engenharia de encher o olho e, sobretudo, de aguçar apetites pelo “eldorado” em que se vão tornando as terras do regulado dos Tembe.

Os primeiros pilares da ponte foram anunciando um futuro previsivelmente de sonhos, e a primária função de facilidade de mobilidade de pessoas e bens já é uma realidade. Aliás, esta infra-estrutura deita por terra a lógica dos cépticos quanto à sua importância.

É uma lógica que se fundamentava no discurso sobre os elevados custos, que podiam aliviar outras costelas sociais, como escolas e hospitais. É verdade. Mas também é verdade que a decisão sobre o que é socialmente prioritário não deve partir apenas de vantagens imediatas.

Outros valores, como mobilidade e turismo, devem ser equacionados. Ou seja, a factura do empreendimento é decerto gorda e de cortar a respiração, mas o benefícios, esses, terão um efeito de catarse e se encarregarão de, quais airbags, almofadar os efeitos da derrapagem.

A verdade é que a ponte já está ali, planando sobre a baía, imponente aos olhos de África e, se quisermos ser menos modestos, do mundo, sobranceira e de uma majestade icónica.

A arquitectura da cidade das acácias ficou a ganhar com este sublime e metropolitano marco, uma porta de entrada para os benefícios de um turismo cada vez mais importante para as contas do PIB.

A Reserva Especial de Maputo, a Ponta do Ouro e a fronteira com a República da África do Sul deixaram de ser uma miragem.

Hoje é um facto. E a história de um país escreve-se com factos.

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction