Imprimir
Categoria: Nacional
Visualizações: 3807

OS trabalhadores da província de Tete manifestaram a sua preocupação pelo elevado índice de custo de vida, desemprego e contratos precários de trabalho.

Numa mensagem do movimento sindical apresentada ontem ao Governo da Província de Tete, representado pela secretária permanente Lina Portugal, no âmbito das celebrações do 1.º de Maio, onde os operários denunciaram a falta condições de higiene e segurança no trabalho, sobretudo no ramo de construção civil. É neste sector de trabalho em que se registam mais acidentes de trabalho. “Há ainda fraca abertura por parte do patronato para um diálogo social nos locais de trabalho, o que faz com que haja um número reduzido de acordos colectivos de trabalho, em prejuízo da massa laboral”, afirmaram os trabalhadores na sua mensagem alusiva ao Dia Internacional do Trabalhador.

O secretário da OTM-Central Sindical em Tete, José Manuel Freitas, afirmou que ao nível da província funcionam duas organizações sindicais, nomeadamente a OTM-CS e a Confederação dos Sindicatos Independentes e Livres de Moçambique (CONSILMO) e detém 269 empresas, 214 comités sindicais, 43 delegações sindicais e 32.280 trabalhadores inscritos membros dos quais 3.589 são mulheres.

“Nestas duas centrais sindicais estão filiados 16 sindicatos de vários ramos de actividade, para além da Associação dos Operadores e Trabalhadores do Sector Informal, também filiada na OTM-Central Sindical”, apontou José Freitas.

BERNARDO CARLOS