DIVERSAS instituições públicas são chamadas a explicar a existência de funcionários a mais no seu quadro de pessoal, problema detectado pela prova de vida realizada pela primeira vez de forma electrónica em 2015.

À partida, o Ministério da Administração Estatal e Função Pública (MAEFP) acreditava que o Estado tinha 357 mil funcionários e agentes. No entanto, o processo indicou a existência de cerca de 8600 funcionários a mais, não se percebendo como é que continuavam registados como activos. 

O director de Sistemas e Tecnologias de Informação, Feliciano Chavana, garantiu que a plataforma usada para o registo de funcionários e agentes de Estado indica com precisão as instituições onde as irregularidades aconteceram.

Neste sentido, os titulares das áreas tinham até 30 de Abril para explicar ao MAEFP como é que continuavam nos seus registos com gente já falecida, expulsa e/ou reformada, baralhando completamente as estatísticas e orçamentos.

O responsável acrescentou que, dos cerca de 8600 funcionários e agentes fictícios, pelo menos 2760 auferiam salários normalmente.

O Presidente da República, Filipe Nyusi, falando recentemente no Conselho Consultivo que orientou no Ministério da Administração Estatal e Função Pública, exigiu a realização de um levantamento dos responsáveis por estas anomalias para posterior responsabilização.

O Chefe do Estado reiterou a necessidade de os funcionários e agentes de Estado serem responsabilizados pelos todos os seus actos. É que, actualmente, há em muitas instituições pessoas que faltam e pouco produzem, mas nada lhes acontece.

Mais recentes

Breves

Editorial

EDITORIAL
Sexta, 23 Fevereiro 2018
A TRAGÉDIA que se abateu sobre a cidade de Maputo, na madrugada desta segunda-feira, matando 16 pessoas e ferindo outras tantas, em consequência do deslizamento do lixo nas proximidades do aterro de Hulene, chama à atenção para a necessidade de reflectirmos sobre o... Ler mais..

Primeiro Plano

IMAGE
Pressão social empurra meninas para uniões...
Sexta, 23 Fevereiro 2018
Raparigas da localidade de Massaca, distrito de Boane, queixam-se da pressão social e dizem que está na origem dos casamentos prematuros. Com efeito, é-lhes dito que estando no lar vão dignificar a família e a comunidade, e muitas cedem a este conselho que as empurra para um futuro incerto. Ler mais..

Assim vai o mundo

Preçário dos jornais online

Anual 5.746,00 MT
Semestral
Trimestral 1.436,00 MT
Mensal 478,00 MT
Quinzenal 239,00 MT
Semanal
Diário 18,00 MT

Jornal Noticias

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Domingo

Anual 1.872,00 MT
Semestral
Trimestral 468,00 MT
Mensal 156,00 MT
Semanal 27,00 MT

Jornal Desafio

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 58,31 59,47
ZAR 4,74 4,83
EUR 70,23 71,64

25.01.2018   Banco de Moçambique

Opinião & Análise

PARECE haver motivos bastantes para emprestar as palavras do polémico ...
2018-02-24 00:30:00
O SONO é um veneno que embriaga, paralisa o corpo, corta os movimentos e guia ...
2018-02-24 00:30:00
“Ide por todo o mundo, anunciai a Boa Nova a toda criatura” – Mc ...
2018-02-23 00:30:00
Há reportagens antigas  – nos jornais e televisões -  ...
2018-02-23 00:30:00
SÓ posso começar o presente texto dizendo mesmo isto: INAE, já ...
2018-02-23 00:30:00

Conversas ao sábado

  • Publicidade_Versao_Imprensa

Quem está online?

Temos 1859 visitantes em linha