Director: Júlio Manjate   ||  Directora Adjunta: Delfina Mugabe

O EX-MINISTRO da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, Abduremane Lino de Almeida, confirmou ontem ter viajado para Meca, na Arábia Saudita, por um período de 21 dias, acompanhado de três indivíduos estranhos à instituição, com despesas pagas com fundos do Estado, no valor de 1.780 milhão de meticais.

No entanto, segundo o depoimento que apresentou perante o tribunal que o julga pelo crime de “abuso de cargo e funções”, a viagem terá sido autorizada pelo Presidente da República, uma vez que incluía, na agenda, contactos diplomáticos com as autoridades com vista à instalação de uma embaixada daquele país em Maputo e busca de soluções para a paz em Moçambique.

O réu negou, perante o tribunal, que os três indivíduos sejam das suas relações, fundamentando que foram escolhidas pela chefe da bancada parlamentar da Frelimo, Margarida Talapa.

“Não tive autorização por escrito do Presidente, foi um mandato verbal. Também nunca esperei receber qualquer instrução por escrito do Presidente da República. Tratou-se de uma missão especial que o Presidente disse fazer parte do seu manifesto eleitoral e que esteve por detrás da criação do ministério, daí que a despesa da viagem devia ser suportada pelo ministério. Não fazia ideia de como podia seleccionar as pessoas, daí que entreguei o assunto à chefe da bancada parlamentar da Frelimo, que tratou de indicá-las”, explicou o ex-governante.

Uma vez que a viagem para Meca não estava orçamentada, recorreu-se ao Cofre dos Registos e Notariado, facto confirmado por Ângelo Miguel, antigo secretário permanente, e Nelson Sithole, director da Administração e Finanças, presentes em tribunal na condição de declarantes. Aliás, este último disse que, para além das despesas pagas com este valor, o ex-ministro ainda levou 100 por cento de ajudas de custos, quando devia levar apenas 30 por cento, visto que toda a viagem estava paga.

Por ter mencionado o nome da ministra na Presidência para os Assuntos da Casa Civil, Adelaide Amurane, como tendo sido a pessoa que vivenciou este expediente, o tribunal agendou para 14 de Junho corrente a audição da governante como testemunha No mesmo dia e na mesma condição, serão ouvidos Abdul Carimo Saú, do Conselho Islâmico, e Valigy Tawabu, da agência de viagens que tratou da excursão à Meca. 

Quando questionado sobre o relatório da auditoria feita ao ministério pela Inspeção-Geral das Finanças, que o obrigava a devolver o valor usado, Lino de Almeida disse que entrou em contacto com a ministra Adelaide Amurane, a quem apresentou a preocupação. “Como ela estava dentro do assunto, ligou ao ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, no sentido de dar ordens à inspectora-geral das Finanças, cujo nome não me lembro, para retirar este ponto do relatório da auditoria…”.

“Fiquei surpreso quando fui notificado pelo Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC) para que fosse responder a este assunto em processo”, disse o réu.  

Sábados

...

A BELEZA do mundo é uma bênção que se vive na ...

CLICKADAS

TEMA DE ...

NUMA entrevista que concedeu ao escritor Marcelo Panguana, publicada no ...

Conselho de administração

Presidente: Bento Baloi

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

Siga-nos

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction