O Governo da província de Tete, já está a alocar diversas quantidades de sementes nas zonas afectadas pelas inundações para garantir a segunda época agrária. 
Dados apurados do levantamento efectuado por técnicos da Agricultura e Segurança Alimentar referem que as inundações afectaram mais de 18 mil hectares com culturas diversas, com destaque para o milho, um cereal que constitui a alimentação base dos habitantes das zonas rurais na província de Tete.
Segundo o porta-voz deste Executivo, Richard Baulene, foi por essa razão que as grandes quantidades de sementes são de milho e depois seguem das hortícolas, que estão a ser encaminhadas para os distritos atingidos pelas calamidades, cujo impacto maior fez-se sentir nos distritos de Moatize, Angónia, Tsangano, Macanga, Chifunde, Mutarara, Doa e Changara, bem como a cidade de Tete.
Os insumos agrícolas e outros produtos resultante de doações, no âmbito de ajuda humanitária as pessoas afectadas pela situação calamitosa, são canalizados ao Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), que por sua vez faz chegar aos destinatários.
Segundo o porta-voz do Governo provincial de Tete,citado pela AIM,as famílias camponesas já manifestavam o interesse em sementes para poderem lançar a terra nesta decorrente segunda época agrícola, de modo a compensar os dados causados pelas enxurradas registadas no mês passado de Março.
“Esta é uma resposta que estamos a dar neste período pós-cheias ou inundações, para que as famílias afectadas prossigam com os seus esforços de produção dos seus alimentos, reiniciando assim a sua vida normal”, explicou a fonte.
De acordo com a fonte, prossegue o reassentamento das famílias afectadas pelas inundações causadas pelo transbordo do rio Revubue, em Marco ultimo, na cidade de Tete.
Richard Baulene disse que já foram reassentadas 162 famílias na zona de Chimbonde, no bairro Matundo. Restam outras 109 por transferir do centro de acolhimento que foi criado na Escola Industrial de Matundo.
“Primeiro criamos as condições e depois é que transferimos as pessoas para a área de reassentamento. Refiro-me a montagem de tendas e a entrega de “kit” básico de utensílios domésticos. Posto isso, levamos as famílias para o local, onde recebem os produtos alimentares”, explicou.
“Fazemos as transferências diariamente, consoante o número de tendas que também são instaladas em Chimbone”, disse, acrescentando que, ao mesmo tempo, a equipa de técnicos da Agricultura e Segurança Alimentar está a fazer o levantamento das famílias que praticavam a agricultura nos seus bairros de origem, para a atribuição de áreas para o cultivo.
De acordo com Baulene, na zona de Chimbonde foram montadas duas tendas-escola para as crianças que foram, na companhia dos seus pais, tiradas das áreas onde perderam as casas devido as inundações.
“Esta medida visa garantir a continuidade dos estudos daquelas crianças, que tinham ficado duas semanas sem aulas, porque se encontravam no centro de acolhimento da Escola Industrial de Matundo”, frisou.
 

Comments

 

A PRIMEIRA-DAMA solidarizou-se com as crianças órfãs e vulneráveis de Cabo Delgado, particularmente do distrito de Metuge, onde trabalhou quinta-feira no terceiro dia da visita que efectuou a esta província.

 

 

Isaura Nyusi disse que a iniciativa visa mostrar que, apesar da situação em que se encontram, as crianças podem sempre contar com o apoio do seu Gabinete, em particular, e da comunidade, em geral.

 

 

No distrito de Metuge, Isaura Nyusi visitou a zona de acomodação que acolhe duas famílias com crianças nessa situação.

 

 

A primeira família é composta por 16 menores, sendo sete do mesmo pai, João Baptista, e outras nove órfãs de pai e mãe. O segundo agregado é composto por cinco irmãos com idades que variam dos oito aos 22 anos, igualmente órfãos.

 

 

Estas duas famílias residem em casas construídas com base em recursos angariados em gala beneficente, iniciativa do Gabinete da Primeira-Dama, em parceria com a Televisão de Moçambique e a Cruz Vermelha de Moçambique.

 

 

Neste local, Isaura Nyusi ofereceu kits constituídos por material escolar, alimentação e cobertores para as crianças fazerem face a algumas necessidades por que passam devido à sua situação de vulnerabilidade.

 

 

Gesto similar teve lugar igualmente no distrito de Mecufi, onde a Primeira-Dama trabalhou na quarta-feira.

 

 

Nestes dois distritos, Isaura Nyusi iniciou um programa de distribuição de kits escolares, numa iniciativa promovida em parceria com a Fundação Rizwan Adaptia.

 

 

Ainda em Metuge, a Primeira-Dama visitou uma associação de mulheres que se dedicam à Olaria, cuja presidente disse que o resultado do seu trabalho tem concorrido para a satisfação das necessidades das respectivas famílias.

 

 

Entretanto, a directora provincial de Género, Mulher e Acção Social de Cabo Delgado, Maria Isabel Raimundo, disse que a instituição que dirige tem diversos programas de assistência a pessoas em situação de vulnerabilidade.

 

 

Destacou os programas Subsídio Social Básico com mais de 40 mil beneficiários directos e Apoio Social Directo,  que assiste mais de 800 famílias.

 

 

Referiu-se também aos programas Serviços Sociais de Acção Social (atendimento em unidades sociais como centros abertos ), abrangendo mais de 300 pessoas, e o de Acção Social Produtiva que tem mais de 3 mil beneficiários.

 

 

ALCIDES TAMELE

 

 

 

 

Comments

Um motociclista, cuja identidade não foi possível apurar, morreu, na manhã de hoje, após ser colhido por um carro, que circulava a uma velocidade alta, segundo contaram testemunhas oculares.

O acidente do tipo choque entre veículos, ocorreu, quando o condutor do carro de marca Toyota Hilux perdeu controlo da viatura e atropelou o motociclista, que circulava no sentido contrário.

Devido ao impacto do sinistro, o motociclista perdeu a vida no local, e os veículos ficaram danificados.

Comments

As autoridades veterinárias da província de Manica lançaram uma campanha contra a raiva nos bairros de reassentamento das vítimas do ciclone tropical Idai, que afectou a região centro de Moçambique nos meados de Março último.

A campanha tem maior incidência no posto administrativo de Dombe, no distrito de Sussundenga, que acolhe a maior parte da população afectada pelo ciclone. Naquela região, foram abertas mais de três zonas de reassentamento com centenas de famílias.
Por isso, até semana passada já haviam sido vacinados mais de 200 cães e um número considerável de gatos.
Segundo a AIM, a informação foi dada a conhecer pela Vice-Ministra da Agricultura e Segurança Alimentar, Luísa Meque, que visitou alguns bairros de reassentamento na semana passada.
“Algumas pessoas vieram para este local com os seus animais, que se juntaram a outros. Assim, o que estamos a fazer é tentar controlar, porque podem morder pessoas, enquanto estão infectados com raiva e causar a morte de pessoas aqui e nas zonas circunvizinhas”, explicou um dos técnicos de Veterinária durante a visita.
Disse que a campanha decorre sem grandes sobressaltos, porque os donos dos animais estão a colaborar para o seu sucesso.
“Sensibilizamos a população sobre a importância destes animais serem vacinados. Entenderam e, por isso, estão a trazer os seus animais. Para além de postos fixos, temos brigadas que se deslocam até às famílias, para saber se existem animais e prestar os cuidados necessários. Notamos que estamos a ter sucesso e a situação está controlada”, explicou um dos técnicos.
A vice-ministra Meque louvou o trabalho do sector de Veterinária e pediu o engajamento da população nas iniciativas, que visam evitar eclosão de doenças nas zonas de reassentamento.
“Essa acção está a ser desencadeada pelo governo, que quer ver a população saudável. Para a prevenção de doenças foi contemplada a componente raiva canina. Por isso, os técnicos estão a trabalhar para evitar que tenhamos problemas aqui nos bairros, onde vive muita gente junta. A campanha vai prosseguir noutras zonas”, explicou.
Durante a sua visita de trabalho a Manica, Luísa Meque trabalhou nos distritos de Sussundenga, Macossa e Guro, onde interagiu com a população, extensionistas agrários e monitores para a campanha agrícola 2018/2019.

Comments

O Primeiro-Vice-Ministro de Situações de Emergência da Bielorússia, Aleksandr Khudoleev, disse ontem que o seu país vai prestar apoio técnico aos quadros moçambicanos em matérias relativas ao manuseamento de instrumentos tecnológicos para minimizar o impacto dos fenómenos naturais.
Khudoleev falava à imprensa, em Maputo, no final de uma audiência com a vice-ministra moçambicana do Interior, Helena Kida.
“Nós temos tecnologia que podemos partilhar com Moçambique na defesa dos agentes naturais fustigadores”, disse.
Nesse âmbito, o governante bielorusso convidou a vice-ministra do Interior a visitar a Bielorússia para poder aferir as capacidades tecnológicas utilizadas em trabalhos de emergência.
Além de apoio técnico, o primeiro-vice-ministro garantiu que a Bielorússia vai doar 46 toneladas de produtos diversos para apoiar as vítimas do ciclone tropical Idai, que em meados de Março último devastou a região centro de Moçambique.
Trata-se de produtos alimentares, vestimenta, material escolar, de construção, bem como para os primeiros socorros.
Helena Kida, por sua vez, afirmou que com o governante bielorusso houve troca de experiências, sobretudo, no que diz respeito ao treinamento de quadros do ministério do Interior (MINT) na Bielorússia para ‘saber lidar’ melhor com situações de emergência calamitosa.
A vice-ministra do Interior sublinhou, por outro lado, a necessidade de alavancar a cooperação entre os dois países.
“Nós tivemos o convite para visitar a Bielorússia para ver como é que eles fazem, mais ou menos o treinamento para fazer face a situações desta natureza”, afirmou, acrescentando que Moçambique passará a 'importar' conhecimento daquele país europeu para aplicar em circunstâncias tais como a do “Idai”.
 

Comments

Subcategorias

Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction