Imprimir
Categoria: Ciência, Tecnologia e Ambiente
Visualizações: 252

Os serviços de educação e saúde estão a melhorar o seu desempenho, com a participação dos utentes, indicam resultados de um projecto do Centro de Aprendizagem e Capacitação da Sociedade Civil, com base em experiências de 30 escolas e 13 centros de saúde.

O projecto desta organização não-governamental, financiado em 600 mil euros pela União Europeia, Suécia e Países Baixos, desenvolveu instrumentos de avaliação e diálogo nos serviços de educação e saúde nos distritos de Guijá, Mandlakazi e Chibuto, na província de Gaza, disse à Lusa André Manhiça, gestor do projecto.

“A ideia era garantir mecanismos de diálogo, como forma de melhorar, a bem dos utentes, os serviços prestados por entidades destas áreas”, disse André Manhiça.

Durante a implementação do projecto a organização reactivou os comités de escola e promoveu encontros com as comunidades e as organizações da sociedade civil locais, tendo, entre os principais resultados, reduzido os índices de desistência escolar e melhorado o atendimento  nos centros de saúde da província.

“Passámos, por exemplo, de um total de 120 desistências, nas 13 escolas em que o projecto foi implementado, em 2017, para 88 desistências, em 2018. É uma redução notável e que nos leva a  concluir que houve resultados positivos”, observou o gestor do projecto.

“Através destas intervenções pretendia-se facilitar a participação e o engajamento dos cidadãos e das organizações da sociedade civil nos processos de monitorização da qualidade dos serviços de saúde e de educação, bem como facilitar processos de advocacia com vista à melhoria da qualidade desses serviços”, concluiu.

O projecto, cuja duração foi de três anos, contou com o apoio do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano.