Quinta-feira, 30 Maio, 2024
Início » “NINGUÉM MATOU SUHURA”: Obra-prima de Lília Momplé fruto da angústia no paraíso

“NINGUÉM MATOU SUHURA”: Obra-prima de Lília Momplé fruto da angústia no paraíso

Por admin-sn
172 Visualizações

LUCAS MUAGA

DIZ-SE que a centenária Ilha de Moçambique, apesar de constantemente ver o mar a ameaçar-lhe de extinção, como se tem alertado pela imprensa, é eterna. E mesmo que um dia venha a desaparecer fisicamente, continuará intacta na memória de muitos que por lá passaram.

É um museu a céu aberto. Guarda histórias e estórias sobre si mesma, as suas gentes, o país e o mundo, razão pela qual a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) a declarou património mundial da humanidade em 1991.

Neste espaço, também eternizado por artistas e académicos, nasceu Lília Momplé, uma das maiores vozes da literatura nacional. Este é um facto que se pode comprovar depois de ler a sua colecção de contos “Ninguém Matou Suhura”.

banner

Com esta obra-prima, que este ano completa 35 anos de existência, Lília Momplé presta uma singela homenagem àquela que historicamente foi a primeira capital do país. “A ilha de Moçambique é linda e a minha casa ficava a dez metros do mar e o mar era manso, não era de muitas tempestades, e lindo, azul, verde, transparente e até com tons de violeta”, recordou-se.

A escritora dá a entender que vivia numa espécie de “paraíso”, entretanto este elemento não era suficiente para a proteger da angústia. “Era realmente muito fácil ser feliz ali, mas eu nunca fui totalmente, havia sempre uma dor difusa dentro de mim, embora eu fosse pequena”, contou.

Leia mais…

Artigos que também podes gostar

Leave a Comment

Propriedade da Sociedade do Notícias, SA

Direcção, Redacção e Oficinas

Rua Joe Slovo, 55 • C.Postal 327

Capa do dia