Domingo, 14 Julho, 2024
Início » Burkina Faso, Mali e Níger formalizam confederação

Burkina Faso, Mali e Níger formalizam confederação

Por Jornal Notícias
884 Visualizações

OS líderes militares do Burkina Faso, Mali e Níger formalizaram, sábado, a constituição de uma confederação, a Aliança dos Estados do Sahel (AES).

Os três países “decidiram dar mais um passo no sentido de uma maior integração” e “adoptaram o tratado que institui uma confederação entre o Burkina Faso, o Mali e o Níger, denominada Aliança dos Estados do Sahel”, lê-se no comunicado final, citado por agências internacionais, da primeira cimeira realizada pelos três países depois de terem criado a AES em Setembro de 2023, confirmando assim a ruptura com a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

A decisão surge na sequência da formação, em Março, de uma força militar conjunta para combater os terroristas que regularmente atacam estes territórios, e cuja expansão os governos têm sido incapazes de travar.

No texto, os militares manifestaram também o desejo de “fazer uso comum dos seus recursos” em sectores considerados estratégicos, como a agricultura, a água, a energia e os transportes, e apelaram ainda para uma maior utilização das línguas locais nos meios de comunicação social públicos e privados dos seus países.

Em Janeiro, estes três países anunciaram a sua saída da CEDEAO, considerando que é uma organização manipulada pela França, a antiga potência colonial com a qual já romperam e retomaram relações várias vezes.

Na abertura da cimeira, o chefe do regime militar do Níger, Abdourahamane Tiani, afirmou que os povos dos três países tinham “virado irrevogavelmente as costas à CEDEAO”, num discurso feito perante os homólogos do Burkina Faso, o capitão Ibrahim Traoré, e do Mali, o coronel Assimi Goïta.

O general Tiani apelou para que a AES se torne “uma alternativa a qualquer agrupamento regional fictício, construindo uma comunidade soberana de povos, uma comunidade longe do domínio de potências estrangeiras”.

As relações entre o Níger e a CEDEAO deterioraram-se consideravelmente após o golpe de Estado de 26 de Julho de 2023 que levou o General Tiani ao poder.

A CEDEAO impôs pesadas sanções económicas contra o país e ameaçou intervir militarmente para repor no poder o presidente deposto, Mohamed Bazoum, o que ainda não aconteceu. As sanções foram levantadas em Fevereiro, mas as relações entre as duas partes permanecem frágeis, apesar dos apelos de alguns presidentes, nomeadamente senegalês e mauritano, para retomar o diálogo.

Leia mais…

Artigos que também podes gostar

Propriedade da Sociedade do Notícias, SA

Direcção, Redacção e Oficinas

Rua Joe Slovo, 55 • C.Postal 327

Capa do dia