RECONSTRUÇÃO PÓS-IDAI: IFP da Manga e Inhamizua prontos para o funcionamento

0
194

OS Institutos de Formação de Professores (IFP) da Manga e de Inhamizua, ambos situados na cidade da Beira, foram entregues ao Estado depois de serem reabilitados, no quadro da reconstrução pós-ciclones.

As obras, que duraram 12 meses, foram financiadas pela organização alemã GIZ, que desembolsou 60.938 mil meticais através do programa Pró-Educação.

Na ocasião, a directora da GIZ, Britta Lambertz, mostrou-se satisfeita com a finalização das obras, apesar de alguns constrangimentos passados pelos empreiteiros, nomeadamente a passagem de novos desastres naturais como a tempestade Chalane e o ciclone Eloise, que atrasaram a empreitada.

Britta Lambertz apontou outros constrangimentos enfrentados pela sua organização como a escassez de material de construção no mercado devido à pandemia da Covid-19.

Apesar disso, congratulou-se com o facto de ter sido possível, junto dos gestores dos IFP, identificar alternativas para a conclusão das obras dentro do prazo previamente estipulado.

Além da reabilitação dos dois institutos, de acordo com Britta Lambertz, no âmbito da Covid-19, foram igualmente construídas duas novas salas de aula mistas em Inhamizua e três na Manga, de forma a permitir o redimensionamento das turmas no contexto do cumprimento do decreto presidencial sobre a Covid-19.

Intervindo na ocasião, a directora do Instituto de Formação de Professores da Manga, Maria Massango, recordou que, na sua instituição, o ciclone Idai destruiu na totalidade a cobertura dos dois blocos dos dormitórios masculino e feminino.

Arrasou igualmente três blocos de salas de aula, uma cozinha, muro de vedação, parte do tecto do bloco administrativo, alguns bens mobiliários e equipamentos informáticos que garantiam o funcionamento da instituição.

Consequentemente, a directora do IFP da Manga revelou que a instituição funcionou com inúmeras dificuldades devido à infiltração das águas em todos os locais afectados.

Entretanto, mostrou-se satisfeita com o facto de o estabelecimento de ensino que dirige ter sido abrangido neste projecto de reabilitação com vista a assegurar o seu funcionamento nas melhores condições.

Maria Massango manifestou a sua gratidão à GIZ pelo apoio incondicional prestado na reabilitação do IFP da Manga e comprometeu-se a cuidar da infra-estrutura para que possa durar um longo período.

Por sua vez, o director do IFP Inhamizua, Amado Assique, lembrou que o “Idai” destruiu total e parcialmente as salas de aula, bloco administrativo, dormitórios e refeitórios.

Amado Assique enalteceu o esforço empreendido pelo Governo moçambicano que, através da parceria com a GIZ Pró-Educação, reabilitou o IFP de Inhamizua, devolvendo-lhe a beleza que ostentava antes daquela tempestade.

Segundo o seu director, os sanitários do IFP de Inhamizua também foram reabilitados no âmbito de um fundo disponibilizado pelo Governo Central no ano passado.

ADD///: Reparar pequenos danos

Entretanto, a secretária de Estado em Sofala, Stella Zeca, que testemunhou a entrega das duas infra-estruturas, agradeceu o apoio financeiro do parceiro GIZ Pró-Educação pelo contributo que deu na reabilitação dos dois institutos e outros.

Aos professores aconselhou a manterem uma postura adequada com as condições que os institutos apresentam com vista a não mancharem o bom nome das instituições.

Stella Zeca apelou igualmente aos gestores dos dois estabelecimentos de ensino para uma boa conservação das infra-estruturas de modo a evitar que se danifiquem a médio ou a curto prazo.

A dirigente recomendou ainda para que os gestores reparem eventuais pequenos danos sem esperarem que a situação se agrave e sejam então necessários fundos mais avultados.

+ posts

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here