Imprimir
Categoria: Desporto Nacional
Visualizações: 1390

AS federações e outras organizações desportivas nacionais congratulam o gesto do Governo em continuar a dar assistência financeira através dos contratos-programa, não obstante a conjuntura económico-financeira desfavorável que o país atravessa.

São unânimes em afirmar que o dinheiro não é suficiente para cobrir as despesas inerentes aos planos traçados para este ano, mas é um bom impulso inicial, sendo que o resto deve ser procurado juntos dos parceiros. Os contratos-programa entre o Governo, através do Fundo de Promoção Desportiva, e o movimento associativo desportivo foram rubricados semana antepassada, em Maputo.

FERNANDO MIGUEL, PRESIDENTE DA FMN - É um esforço enorme do Executivo

“PARA já temos, antes de tudo, agradecer a este gesto do Governo, pois a assinatura destes contratos surge numa altura em que o país atravessa grandes dificuldades económicas. É um esforço que se fez por nós, por isso vamos procurar valorizar. Iremos priorizar as actividades imprescindíveis com a verba que recebemos e doravante unir sinergias para obter o que nos falta junto dos parceiros. Este é um impulso que nos irá garantir essencialmente as despesas do funcionamento. As competições são normalmente suportadas pelos patrocínios”, disse Fernando Miguel, presidente da Federação Moçambicana de Natação (FMN).

DOMINGOS LANGA, PRESIDENTE DA FMX - Já temos parte do que precisamos

“ESTE valor aqui recebido é parte do que precisamos. Estamos satisfeitos e vamos pôr mãos à obra. O nosso orçamento para este ano é de 13 milhões e já estamos a bater as ‘portas’para angariar esse fundo, pois temos várias competições nacionais e internacionais. O que nos deram hoje foi um impulso para trabalharmos”, realçou Domingos Langa, presidente da Federação Moçambicana de Xadrez (FMX).

AUGUSTO JAMINE, PRESIDENTE DA LNFF - Estamos felizes e agradecidos

“SÓ temos de elogiar este gesto do Governo, afinal é o nosso principal parceiro na organização da nossa liga nos quatro anos da sua existência. Em relação ao valor recebido, não estamos satisfeitos dadas as despesas que temos, mas estamos felizes, porque até foi incrementado em relação ao ano passado, num esforço de salutar. Este ano esperamos fazer uma liga melhor das três que já organizamos, pelo que todo o apoio é válido para nós”, sublinhou Augusto Jamine, presidente da Liga Nacional de Futebol Feminino (LNFF).