Imprimir
Categoria: Internacional
Visualizações: 583

Um grupo de eurodeputados exigiu ontem, uma "resposta firme" de Bruxelas à "propaganda hostil", nomeadamente, nas redes sociais, pedindo a criação de medidas sancionatórias para promotores de campanhas com recurso a notícias falsas (as chamadas “fake news”).

Em causa está uma resolução aprovada por maioria na comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros, na qual os eurodeputados vincam que "a União Europeia (EU) e os seus Estados-membros devem adoptar uma resposta firme para combater as ferramentas cada vez mais sofisticadas usadas, para promover a desinformação".

Em causa está, por exemplo, o recurso a aplicações móveis de mensagens privadas, a redes sociais, a mecanismo de busca optimizados e a portais 'online' de notícias.

No documento aprovado, os eurodeputados pedem, assim, que todos os países da UE reconheçam a existência de “fake news”, mesmo "os que o continuam a negar", tomando medidas para o dissuadir nos seus territórios.

(LUSA)