Director: Lazaro Manhiça

Depois do Zimbabwe e Lesotho, terem entrado ontem em confinamento total, outros países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) poderão juntar-se a lista em breve, anunciando tais medidas nos seus territórios para conter a propagação do novo coronavírus.

Um dos casos é a Namíbia, cujo Presidente, Hage Geingob, anunciou no domingo que nos próximos dias o país poderá passar a um confinamento a nível nacional. Na semana passada foi decretado um confinamento parcial, de 27 de Março a 17 deAbrilem três regiões do pais.

Geingob, que visitou domingo alguns bairros pobres da capital, Windhoek, para inspeccionar como o público estava lidando sob as condições de restrição, disse que a Namíbia entrará em breve em bloqueio nacional, numa altura em que o número de casos confirmados no país subiu para 11.

Já na Zambia, o Presidente Edgar Lungu, disse que devido ao facto de ser um pais do Hinterland, “significa que com uma crise dessa magnitude,  nos encontraremos sob o bloqueio forçado, se todos os nossos vizinhos fecharem as suas fronteiras. Esta situação nos faria economicamente vulneráveis e mais fracos”.  O pais regista 35 infectados pelo Covid-19. Portanto, a Zambia poderá faze-lo se ficar isolado do resto da região da SADC.

A África do Sul está em confinamento total há cinco dias. O país registou até ontem 1280 casos, dos quais 31 recuperaram e dois morreram. No entanto, centenas de pessoas foram presas em Cabo Ocidental e Gauteng por desrespeitar os regulamentos de bloqueio, criados para conter a propagação do mortal Covid-19. Em Gauteng, a Polícia prendeu 281 pessoas desde domingo. No Cabo Ocidental, 603 pessoas foram detidas desde o início do bloqueio à meia-noite de quinta-feira-para sexta-feira.

No meio do confinamento há excepções para saídas de casa, uma delas para a colecta de subsídios sociais. Por isso, ontem em Alexandra, Diepsloot, Mamelodi e Tembisa (arredores de Joanesburgo), os sul-africanos fizeram longas  filas para receber os seus subsídios sociais, sem respeitar a regra do distanciamento social.

Ontem foi o primeiro dia de um bloqueio de 21 dias no Lesotho e imagens de policiais e soldados fazendo cidadãos rolarem no chão e a espancá-los tornaram-se virais nas redes sociais.

Isso apesar de o primeiro-ministro Thomas Thabane, ter apelado às forças de segurança para não violar os direitos das pessoas.

A Polícia disse que tomaria medidas contra os seus agentes que não atenderam a esse apelo.

O Lesotho tinha até ontem 10 casos suspeitos de Covid-19, alguns negativos e outros não confirmados.

O Zimbabwe, por seu lado, entrou ontem em quarentena total como medida preventiva face à pandemia de covid-19, mas o distanciamento social está a ser suplantado pela procura de alimentos, dinheiro e transporte público barato, conforme constataram, nas ruas de Harare, os jornalistas da Agência noticiosa Associated Press.

Com poucos casos de covid-19 confirmados e o país de 15 milhões de habitantes em quarentena, para muitos zimbabweanos, a opção pode ter de ser entre ficar contagiado ou morrer de fome.

O governo fechou as fronteiras e proibiu a concentração de mais de 50 pessoas, enquanto incentiva as pessoas a ficar em casa, mas a maioria dos zimbabweanos precisa de sair diariamente de casa para conseguir colocar comida na mesa. EWN/THENAMIBIAN/LUSA

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction