Director: Lazaro Manhiça

Publicidade
Dstv

Politica

O CHEFE da brigada da Frelimo de assistência à província de Sofala, Sérgio Pantie, disse nasegunda-feira,na Beira,que o processo de Desarmamento, ...

Quarta, 08 Julho 2020
Leia +

Nacional

FORJOU-SE como jornalista já em plena Redacção do “Notícias”.Por residir fora de Maputo, não teve a oportunidade de se sentar na carteira para aprender ...

Quarta, 08 Julho 2020
Leia +

Beira

O DIRECTOR-GERAL do Instituto Nacional de Saúde (INS), Ilesh Jani, defendeu segunda-feira na Beira a necessidade de ser implementadas medidas específicas de controlo no Corredor da ...

Quarta, 08 Julho 2020
Leia +

Maputo

RESIDENTES dos bairros a norte da cidade de Maputo, nomeadamente Mavalane, Laulane, Albasine, Romão e Costa do Sol, terão o sistema de transporte reforçado, com a ...

Terça, 07 Julho 2020
Leia +

Economia

A Vice-Ministra da Indústria e Comércio, Ludovina Bernardo, exortou,recentemente, em Xai-Xai, aos mercadores a apostarem, cada vez mais, na produção local, para incentivar ...

Quarta, 08 Julho 2020
Leia +

Tecnologias

AS autoridades malawianas e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estão frustrados pela recusa dos deslocados moçambicanos que se encontram no distrito de Chikwawa em ser realojados em Luwani, no distrito malawiano de Neno.

O ACNUR diz que em Chikwawa estão cerca de oitocentos moçambicanos que não estão interessados em passar para Luwani.

Alegam que estão devidamente integrados nas famílias malawianas, não havendo necessidade de serem realojados noutro local.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados admitiu, há duas semanas, que está no terreno para identificar os moçambicanos que estão no distrito de Chikwawa.
Até agora, dos cerca de oitocentos moçambicanos registados nas famílias malawianas em Chikwawa, apenas dez foram realojados no campo de Luwani.

De acordo com o administrador de Chikwawa, Bester Mandere, a situação é complexa porque alguns moçambicanos estão integrados nas famílias malawianas e convivem normalmente.
“Realmente estamos preocupados. Convocámos uma reunião para informar os moçambicanos sobre a sua transferência para Luwani, mas apenas apareceram cerca de duzentos. Na data de partida para Luwani apenas vieram dez. Alguns moçambicanos parecem relutantes em passar para Luwani porque estão integrados nas comunidades malawianas e relacionam-se bem” – disse Mandere.

Mandere acrescentou que se deve fazer uma triagem para se evitar que alguns malawianos possam receber assistência alimentar destinada aos moçambicanos.
O oficial de Informação e Comunicação do ACNUR, Kelvin Shimo, manifestou a sua esperança quanto à possibilidade dos moçambicanos serem realojados em Luwani apesar da relutância que se regista neste momento.

“Como é do conhecimento geral, a transferência para Luwani é voluntária. Não podemos forçar as pessoas. Temos vindo a trabalhar com os chefes e as comunidades em todas as áreas onde estão os moçambicanos. Eles estão a nos ajudar a identificar as pessoas” – disse Shimo.
Para o ACNUR, a mudança para Luwani visa proporcionar melhores condições de alojamento aos moçambicanos que estão em Nsanje, Chikwawa e Kapise.

Serviço da RM, Lilongwe

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction