Director: Júlio Manjate

O Presidente da República, Filipe Nyusi, emitiu hoje uma mensagem através da qual expressa profundo sentimento de dor, pesar e consternação pela morte, ontem, de Simão Ncucha, um dos precursores da consciência nacionalista moçambicana.

Nyusi afirma na mensagem que desde os primórdios da sua juventude, Simão Ncuchamanifestou inconformismo pela presença colonial no nosso país, reclamando que o destino de Moçambique deveria estar nas mãos dos próprios moçambicanos.

Entre várias acções em busca da liberdade realizadas pelo veterano Simão Ncucha, destaca-se o facto de, em 1960, antes do massacre de Mueda, na companhia de Modesta Neva, Lázima Ndalamo, Simone Sambumba, Mariana Ntumiwetu, Cosme Tetekou e Fundi, ter-se dirigido à sede do posto administrativo de Mueda, para falarem com o chefe, com o objectivo de exigir a independência de Moçambique.

“Esse acto de coragem, bravura e determinação carregado de nacionalismo, foi interpretado como uma afronta à ordem e status quo estabelecido pelo regime colonial e fascista, tendo culminado com a sua prisão imediata, em Mueda”, explica a missiva.

O documento aponta que as autoridades coloniais achavam que a penitenciária de Mueda não era segura daí que os sete jovens tenham sido encaminhados a Porto-Amélia, hoje cidade de Pemba, onde permaneceram meses e, mais tarde, após o massacre de Mueda, que ocorreu a 16 de Junho de 1960, transferidos para a prisão da Ilha do Ibo. De seguida, foram transferidos para a prisão de máxima segurança da Machava, em Lourenço Marques, actual Maputo. 

E porque as autoridades coloniais consideravam que havia necessidade de agravar a punição daqueles sete precursores do nacionalismo, foram transferidos para a então prisão localizada na Ilha da Xefina.

Após o 25 de Abril de 1974, e depois com a independência nacional, é que o compatriota Simão Ncucha voltou a desfrutar do ar da liberdade, com sentido de missão cumprida.

Neste dia sombrio, no lugar de chorarmos a morte de um dos melhores filhos desta pátria, quero, por este meio, convidar a família e a todos os moçambicanos, para celebrarmos os feitos deste homem que em vida escreveu a história do nosso país com letras douradas.

Por isso, fazemos votos para que a alma do veterano Simão Ncucha descanse em paz, reiterando que vamos preservar e dar o melhor seguimento às causas pelas quais sempre lutou. À família enlutada, endereçamos as nossas mais sentidas condolências!, refere o Presidente da República.

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Administrator: Rogério Sitóe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction