Imprimir
Categoria: Província Em Foco
Visualizações: 1756

Mais de vinte e cinco expositores de agro-negócios da região centro do país participaram há dias, na vila-sede distrital de Morrumbala, na Zambézia, numa feira agrícola que tinha por objectivo juntar produtores e provedores de serviços agrários com vista a facilitar a aquisição de insumos agrícolas a preços promocionais.

A Ministra da Administração Estatal, Carmelita Namashulua, que procedeu à abertura do evento, afirmou que a feira de agro-negócios foi uma oportunidade para reabilitar a capacidade produtiva dos camponeses, uma vez que um dos problemas que se colocam é a falta de insumos agrícolas para o melhor amanho da terra e, consequentemente, o alargamento das áreas de produção.

Participaram nesta feira produtores dos distritos onde foi implementado nos últimos cinco anos o Projecto de Pequenos Produtores Orientados para o Mercado, nomeadamente Morrumbala e Mopeia, na Zambézia, Chemba e Marínguè, em Sofala, e Mutara, em Tete.

O projecto, financiado pelo Governo moçambicano e o Banco Mundial (BIRD) em mais de 25 milhões de dólares norte-americanos, visou a transferência de tecnologias agrícolas aos produtores de forma a produzir para comercialização, tendo sido atribuídos gado bovino para tracção animal e respectivas alfaias e atrelados, criação de animais, apicultura, pesca e a construção de celeiros e mercados agrícolas.

Uma vez terminada a fase de implementação o Governo pretende agora monitorar se as comunidades beneficiárias tiveram ganhos ou não. Carmelita Namashulua disse, na ocasião, que o Governo reconhece que o futuro da produção agrícola depende dos intervenientes, nomeadamente o produtor e os provedores de insumos agrícolas, para que a agricultura seja verdadeiramente um instrumento de redução da pobreza no país.

Segundo a fonte, para a tal capacitação dos produtores a transformação das instituições públicas e privadas é de vital importância para que possam agir como facilitadores para assegurar o crescimento económico.

Esta foi a terceira feira de agro-negócios. As outras duas foram realizadas nos anos de 2012 e 2013, todas no distrito de Morrumbala.

A governante disse que a feira visou também criar oportunidades de reflectir sobre o futuro da região do vale do Zambeze dado o seu potencial agrícola que não está a ser devidamente explorado.

A promoção de ligações de mercados e o estabelecimento de plataformas de ligação entre o Governo, produtores e provedores de insumos agrícolas melhoram os níveis de produção nos cinco distritos abrangidos pelo projecto do vale do Zambeze, nomeadamente Mutarara, Chemba, Marínguè, Morrumbala e Mopeia.

Américo Vasco, produtor no distrito de Marínguè, disse à nossa Reportagem que a realização da feira anual tem trazido uma mais-valia para os produtores a vários níveis, pois, para além de comercializarem os seus produtos, têm a oportunidade de estabelecer parcerias e adquirir equipamentos que possam melhorar a sua actividade. Afirmou-se satisfeito, pois, também nas feiras tem a oportunidade de se inteirar de como outros produtores exercem as suas actividades agrícolas.

O produtor Vasco mostrou-se ainda impressionado com o nível de organização da feira e aderência por parte dos provedores de insumos agrícolas.

A realização de feiras de agro-negócios surge como estratégia de promoção e ligação de mercados entre as comunidades produtoras da região com actores de desenvolvimento do sector privado, com vista a criar mudanças socio-económicas e mudança de qualidade de vida nas zonas rurais abrangidas pelo vale do Zambeze.

NELSON MÁXIMO