Director: Lázaro Manhiça

O CONSELHO dos Serviços de Representação do Estado em Inhambane acaba de aprovar, semana finda, o projecto de restauração das áreas degradadas e proteccao das não destruídas pela acção do Homem, com vista a enriquecer a produção de recursos florestais existentes na província.

Denominado “Vamos Replantar Inhambane”, o projecto foi aprovado no decurso da 13ª Sessão Ordinária do Conselho dos Serviços de Representação do Estado,realizadasemana finda. Numa primeira fase ainiciativa terá a duração de cinco anos,dentro dos quais se espera reflorestar cerca de mil hectares de mudas de diferentes espécies,entre fruteiras, coqueiros, plantas de produção de madeiraecarvão. Leia mais

Comments

TREZE mil e setecentos produtores agrícolas das províncias da Zambézia e Manica,no centro do país,viram nos últimos três anos o aumento de rendimentos por hectare nas culturas de soja e milho,fruto da sua adesãoa ripers e covachos permanentes, duas tecnologias usadas na agricultura de conservação.

Deste número, 13.400 são do sector familiar, que estão a revolucionar a produção,decorrente da tecnologia de covachos permanentes e 350 do ripers, técnicas da agricultura resiliente às mudanças climáticas. Leia mais

Comments

UM milhão, cento trinta e seis mil, oitocentos e oitenta e cincopessoasde zonas rurais, cerca de 56por centoda população de Tete, consomem água potável fornecida por 3410 fontes operacionais,das3588 existentes emtoda a província.

O director provincial das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos de Tete, Nelson Tchuze, disse recentemente que reforçam ainda a capacidade de provisão de água nas comunidades rurais52 sistemas montados nas sedes distritais, postos administrativos e localidades.

Com esta realização,segundo Nelson Tchuze, está paulatinamente assegurada a políticade abastecimento de água às comunidades,com maior atenção para as zonas rurais,onde a escassez do líquido é acentuada. Leia mais

Comments

O FUNDO Soberano pode reduzir a dependência externa de Moçambique e tornar o país auto-suficiente de geração em geração. Esta abordagem foi feita em Chimoio pelo administrador do Banco de Moçambique Jamal Omar, no decurso do primeiro seminário de auscultação pública da proposta do modelo de fundo soberano a ser adoptado no país.

Falando na ocasião, Jamal Omar afirmou que a criação do fundo soberano poderá também garantir a acumulaçãoda poupança e contribuir para a estabilização fiscal, dois objectivos centrais que, segundo ele, nortearam a criação do referido fundo.

Explicou que a acumulação de poupança tem em vista maximizar o valor do fundo para garantir que as receitas provenientes da exploração dos recursos naturais sejam repartidas entre várias gerações porquanto a contribuição para a estabilização fiscal tem como finalidade isolar o orçamento e a economia dos impactos nefastos resultantes da flutuação dos preços das “commodities” nos mercados internacionais.

A fonte defendeu que para além do gás natural, o potencial energético do país inclui também carvão mineral, ouro, titânio e minerais não metálicos, entre outros, tendo realçado que com essa riqueza oferecida pela natureza prevê-se a arrecadação de grandes volumes de receitas estimadas acima de 90 biliões de dólares nos próximos 25 a 30 anos.

Um dos fundamentos da criação do fundo soberano, de acordo com o administrador do Banco de Moçambique, tem a ver com a existência de jazigos de gás natural  cujas reservas estão estimadas em 277 triliões de pés cúbicos, facto que necessita de uma gestão rigorosa de receitas e que sirva as gerações actuais e as vindouras, para além de ser uma das alternativas para uma gestão adequada e transparente das receitas.

Participaram no seminário instituições do governo, académicas, bancos comerciais e empresariado local, com o objectivo de colher contribuições de cada uma destas instituições, a serem incorporadas no documento final sobre a proposta do modelo do fundo soberano.

Jamal Omar explicou ainda que o fundo soberano não cobre investimentos da economia doméstica para evitar dupla perda, evitando aquilo que considerou “colocar todos os ovos na mesma cesta”. Na sua óptica, “desta forma, quando houver uma catástrofe, vamos perder só de um lado e não nos dois lados, portanto do lado da receita e não das aplicações”.

Na ocasião, os participantes ao seminário de auscultação pública sobre a proposta do modelo do fundo soberano em Manica propuseram que uma das linhas de intervenção deste fundo fosse para a formação de jovens como forma de reduzir as assimetrias e desigualdade sociais.

A auscultação pública sobre a proposta do modelo do fundo soberano iniciou a 12 de Outubro e prevê-se que até ao final deste ano o processo de recolha de contribuições termine para posteriormente se avaliar o nível de contribuições e apresentar-se a proposta final aos órgãos competentes.

Em termos de estrutura de governação, explicou estar previsto que a Assembleia da República, que vai definir o quadro legal para a criação do fundo e poderá criar unidades especializadas para efeitos de fiscalização, e, em seguida, “teremos o Ministério da Economia e Finanças, que seria o dono do fundo e que iria definir toda a política de investimento a ser aplicada pelo gestor operacional ou seja o BM através de um acordo e finalmente o terceiro pilar tem a ver com as regras de utilização”.

Comments

A LINHA de crédito no valor de 500 milhões de dólares disponibilizada pelo Banco Central para apoiar as importações registou fraca adesão, o que sinaliza que o mercado continua suficientemente abastecido de divisas para os níveis actuais de procura das importações.

Esta constatação foi feita em Chimoio pelo Governador do Banco de Moçambique, Rogério Zandamela, no decurso do 45º Conselho Consultivo do Banco Central, que decorreu naquela cidade.

Falando no evento, Zandamela lembrou que volvidos oito meses desde a introdução desta medida, a instituição que dirige constatou com satisfação que do montante disponibilizado foram desembolsados apenas 3,5 milhões de dólares desta linha crédito.

Relativamente à medida temporária de obrigatoriedade de conversão para a moeda nacional de 30 por cento do valor recebido no repatriamento das receitas de exportação, Zandamela disse terem resultado numa disponibilidade adicional de divisas equivalente a mais de 200 milhões de dólares norte-americanos.

Não obstante o contexto adverso que o Banco Central enfrentou, o governador disse que a avaliação preliminar que faz sobre a actuação da instituição em 2020 é positiva, uma vez ter cumprido com a missão principal de contribuir para a estabilidade macroeconómica, assegurar a estabilidade do sistema financeiro e promover a inclusão financeira.

Com efeito, segundo aquele dirigente, o Banco de Moçambique assegurou a inflação abaixo de cinco por cento, considerada suficientemente baixa e estável para proteger o poder de compra do cidadão, mantendo também um nível confortável de reservas internacionais que permitiram cobrir mais de seis meses de importações.

Além disso, Zandamela afirmou que a instituição que dirige consolidou a solidez e robustez do sistema bancário, tendo realçando que no domínio do sistema de pagamentos foi introduzido o número único de identificação bancária, visando tornar o sistema nacional de pagamentos, moderno, robusto e seguro.

O Governador do Banco de Moçambique lembrou, num outro desenvolvimento, que Moçambique já tem uma proposta técnica de modelo de fundo soberano, que foi posta a circular para consulta por todos os segmentos da sociedade a 12 de Outubro, com objectivo de tonar o processo de criação do fundo soberano em Moçambique transparente e inclusivo.

A proposta do fundo soberano foi abordada em Chimoio num seminário que juntou à mesma mesa os actores do sistema bancário na província,  empresários e representantes de instituições públicas e privadas relevantes.

Por outro lado, Rogério Zandamela destacou a instabilidade militar na região centro, intensificação dos actos de terrorismo na zona norte, eclosão da pandemia da Covid-19 e a queda de preços das mercadorias como efeitos devastadores da economia do país.

Face aos impactos devastadores da economia nacional, principalmente para a pandemia da Covid-19, o Banco de Moçambique adoptou um conjunto de medidas de política monetária por forma a evitar que os efeitos económicos fossem ainda mais severos.

Com efeito, segundo Rogério Zandamela, a instituição, visando a redução dos custos de financiamento das empresas e famílias, reduziu a taxa de juro (taxa MIMO), de 12,75%para 10,25%.

Perante essas adversidades o Produto Interno Bruto registou também uma variação negativa de 3,25%e as exportações reduziram para 400 milhões de dólares só no segundo trimestre deste ano.

O Governador do Banco Central explicou ainda que a combinação dessas medidas permitiu a redução das taxas de juro dos clientes bancários preferenciais de 18,4% para 15,9%e a libertação de seis mil milhões de meticais para o financiamento da economia. 

Paralelamente, o Banco de Moçambique reduziu a percentagem dos depósitos que os bancos são obrigados a manter junto de si em moeda nacional e estrangeira de 13%para 11,5%e de 36%para 34,5%, respectivamente.

Comments

CONVERSAS AOS SÁBADOS

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Presidente: Júlio Manjate

Administrator: Rogério Sitoe

Administrator: Cezerilo Matuce

JORNAL DIGITAL


Template Settings

Color

For each color, the params below will give default values
Tomato Green Blue Cyan Dark_Red Dark_Blue

Body

Background Color
Text Color

Header

Background Color

Footer

Select menu
Google Font
Body Font-size
Body Font-family
Direction