Malawi reclama dinheiro da venda do jacto presidencial

0
153

O MINISTÉRIO das Finanças do Malawi, através do departamento do tesouro, nega o recebimento de dinheiro proveniente do negócio da venda do jacto presidencial, ocorrido em 2013, no mandato de Joyce Banda.

A reacção surge após solicitação pela Comissão de contas públicas do parlamento malawiano, do esclarecimento sobre a aplicação dos quinze milhões de dólares, resultantes da venda do jacto presidencial.

Em resposta, o tesouro negou qualquer envolvimento no negócio.

A resposta do tesouro, não agradou a antiga presidente do Malawi, Joyce Banda, que publicamente já manifestou a predisposição em responder em qualquer instância judicial, sobre o negócio.

Joyce Banda, que foi presidente do Malawi entre Abril de 2012 e Maio de 2014, disse estar surpreendida com o facto de o Ministério das finanças fingir o desconhecimento sobre o assunto quando, em 2014, emitiu um comunicado sobre o negócio.

A então Estadista do Malawi, explicou que a venda do jacto presidencial foi uma decisão do gabinete.

Pelas suas palavras, assim que o Conselho de ministros aprovou a matéria, esta foi encaminhada para o secretariado, ministério das finanças e a Procuradoria-geral da república.

Joyce Banda foi mais além, ao afirmar que nenhum bem sai além fronteira, sem a aprovação do Procurador-Geral.

A então estadista malawiana disse não se intimidar com o processo, pois todas as pessoas envolvidas na transacção estão vivas e com saúde, assim poderão fornecer mais detalhes sobre o negócio.

O presidente da comissão de contas públicas do parlamento malawiano, Shadreck Namalomba, disse que a investigação em curso, visa apurar a verdade sobre o destino dado ao dinheiro do negócio da venda do jacto presidencial, em 2013.

Segundo Namalonda, se a investigação apurar que houve algumas pessoas que se beneficiaram deste valor ilicitamente, elas deverão devolver o dinheiro e responsabilizadas criminalmente pois, o jacto era um património nacional.

Em 2009, a administração de Bingu wa Mutharika comprou um jato presidencial a um custo estimado em 22 milhões de dólares, que mais tarde viria a ser vendido durante a administração de Banda.

A justificação de que o valor da venda foi usado para a compra de milho e medicamentos, é que precipitou a investigação do caso. ( RM Blantyre)

+ posts

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here