Acidente ferroviário faz dois mortos e 20 desaparecidos em Cuamba

0

DUAS pessoas morreram e outras 20 são dadas como desaparecidas, na sequência do descarrilamento de um comboio de transporte de carvão mineral ocorrido na tarde de ontem nas proximidades da cidade de Cuamba, província do Niassa, segundo dados preliminares.

O acidente, no qual ficaram feridas outras três pessoas, registou-se na ponte sobre o rio Namutimbua, provocando a interrupção do tráfego ferroviário no “Corredor de Nacala”, que liga Moçambique e Malawi.

Os óbitos e feridos são menores de idade que se encontravam na altura do sinistro a refrescar-se numa lagoa artificial localizada junto ao rio Namutimbua. Testemunhas oculares disseram ao “Notícias”, no local, que os menores terão ficado soterrados pelo carvão, transportado em 44 vagões de uma composição constituída por 120 unidades.

A equipa de reportagem do jornal “Notícias”, que esteve no local, constatou que a maior parte dos vagões desprendeu-se, indo cair na lagoa.

Os vagões da composição ferroviária espalharam-se numa área de cerca de 60 metros quadrados, o que pode ser explicado pelo impacto do sinistro, que chocou os munícipes da cidade de Cuamba.

João Manguinge, administrador distrital de Cuamba, disse a jornalistas que o corredor logístico do Norte iria iniciar o trabalho de remoção do carvão. Suspeita-se que os desaparecidos possam estar debaixo do mineral.

Acrescentou que o gestor do transporte de carvão vai desenvolver um trabalho com vista a apurar as causas do acidente, apesar de testemunhas apontarem o excesso de velocidade como causa do sinistro.

O local onde ocorreu o descarrilamento já foi palco de cortes do tráfego ferroviário há cerca de dois anos, devido aos danos causados pela força das águas do rio Namutimbua. Na sequência da intervenção criou-se uma lagoa que se tornou num local de recreação de preferência por parte dos munícipes.

+ posts

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.