Quinta-feira, 30 Maio, 2024
Início » EDITORIAL

EDITORIAL

Por admin-sn
1,6K Visualizações

A CHUVA voltou, esta semana, a prejudicar famílias e a economia no Sul do país. A cidade e província de Maputo foram, desta vez, as mais assoladas pelo temporal, numa altura em que ainda geriam as consequências da depressão tropical Filipo, que também trouxe precipitações intensas e destruição. Ultimamente Moçambique enfrenta, com mais frequência, fenómenos climatéricos extremos, contando-se principalmente tempestades e ciclones tropicais, invariavelmente com saldo de mortes e destruição, o que anula os esforços de desenvolvimento.

Neste contexto, recursos que deviam ser usados para áreas prioritárias do bem-estar da população são desviados para financiar acções de emergência, principalmente nas zonas urbanas e peri-urbanas, onde os desafios do ordenamento e outros aspectos da gestão do território são ainda maiores.

Porque se trata de fenómenos cíclicos, pensamos que a experiência acumulada a gestão destes eventos deve ser aplicada principalmente na premissa de que um mal não nos deve surpreender duas vezes da mesma maneira. Lembramo-nos, a propósito, que parte considerável da população que tem agora suas casas mergulhadas na água implantou-as em áreas impróprias, diga-se, com complacência das autoridades.

Alguns destes concidadãos foram socorridos de inundações e reassentados em zonas seguras, a exemplo dos que ocupam as bermas da N4, entre Maputo e Matola, próximo à portagem.

banner

Portanto, parte destas famílias experimenta mais uma vez o flagelo das inundações. Ou seja, depois de o Estado os ter oferecido terrenos em assentamentos seguros, tais agregados optaram por desfazer-se destes e regressar às origens para voltar a clamar por auxílio.

Artigos que também podes gostar

Propriedade da Sociedade do Notícias, SA

Direcção, Redacção e Oficinas

Rua Joe Slovo, 55 • C.Postal 327

Capa do dia