Terça-feira, 28 Maio, 2024
Início » “NÓS MATAMOS O CÃO-TINHOSO”: Há sessenta anos marcando gerações

“NÓS MATAMOS O CÃO-TINHOSO”: Há sessenta anos marcando gerações

Por Jornal Notícias
893 Visualizações

NÁGEL MUNGOI

PELAS vozes de crianças e idosos o livro “Nós Matámos o Cão-Tinhoso”, de Luís Bernardo Honwana, retrata o carácter violento do colonialismo português em Moçambique.

Lançado em 1964, justamente no ano em que inicia a luta de libertação Nacional, a colectânea de sete contos constitui um manifesto contra o racismo, a discriminação étnica e outras atrocidades sujeitas aos moçambicanos pelo regime português.

Os escritos revelam a tomada de consciência das relações coloniais, onde os nativos moçambicanos, negros, estão em desvantagem quanto ao acesso à educação, emprego e justiça.

banner

Num cenário estão os idosos negros que pelo processo histórico aceitam sem questionar as atrocidades do colonialismo. A superioridade e domínio da população branca é tida como um dado imutável, restando-lhes apenas o dever de seguir as suas vontades.

Por outro lado, tem-se os relatos das crianças reaccionárias que questionam o porquê do racismo, da exclusão étnica e social, ao mesmo tempo que perspectivam o fim das injustiças e um futuro de igualdade de direitos.

Leia mais…

Artigos que também podes gostar

Propriedade da Sociedade do Notícias, SA

Direcção, Redacção e Oficinas

Rua Joe Slovo, 55 • C.Postal 327

Capa do dia