Quarta-feira, 19 Junho, 2024
Início » DETENÇÃO DE LÍDERES DE ISRAEL E DO HAMAS: Mundo reage com sentimentos mistos 

DETENÇÃO DE LÍDERES DE ISRAEL E DO HAMAS: Mundo reage com sentimentos mistos 

Por Jornal Notícias
5,7K Visualizações

REDACÇÃO INTERNACIONAL,COM AGÊNCIA LUSA

ESTA semana o procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI), Karim Khan, pediu a emissão de mandados de captura contra o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o líder do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, suspeitos de crimes de guerra e contra a humanidade.

Também foi pedida a emissão de mandados de captura contra o ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, o comandante das Brigadas Al-Qassam, Mohammed Al-Masri, e o chefe do gabinete político do Hamas, Ismail Haniyeh.

Khan disse ter “motivos razoáveis para acreditar” que Netanyahu e Gallant “têm responsabilidade criminal por crimes de guerra e crimes contra a humanidade” cometidos em Gaza. Os dois são suspeitos de causar a fome de civis como método de guerra, de causar intencionalmente grande sofrimento ou ferimentos graves em pessoas e de homicídio voluntário. São igualmente suspeitos de dirigir intencionalmente ataques contra uma população civil, de extermínio e assassínio, incluindo no contexto de mortes causadas pela fome, de perseguição e outros atos desumanos.

banner

Os chefes do Hamas e das Brigadas Al-Qassam, braço armado do grupo extremista palestino que atacou Israel em 7 de Outubro de 2023, são também suspeitos de crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

O TPI cita os crimes de extermínio, homicídio, tomada de reféns, violação e outros actos de violência sexual, tratamento cruel, ultrajes à dignidade pessoal e outros actos desumanos, no contexto de cativeiro.

“Os crimes contra a humanidade imputados fizeram parte de um ataque generalizado e sistemático contra a população civil de Israel pelo Hamas e outros grupos armados (…). Alguns desses crimes, em nossa opinião, continuam até hoje”, referiu.

O TPI disse ter “motivos razoáveis para crer” que Sinwar, Al-Masri e Haniyeh “são criminalmente responsáveis pelo assassínio de centenas de civis israelitas” no ataque de 7 de outubro, e pela tomada de pelo menos 245 reféns.

DECISÃO LÓGICA

Enquanto Israel e os Estados Unidos da América criticaram a decisão do tribunal, boa parte do mundo, principalmente amigos da Palestina festejaram o acto e deram o seu apoio a execução dos mandados.

É o caso do presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, que saudou a posição do TPI afirmando tratar-se de “uma decisão absolutamente lógica. De facto, penso que demoraram demasiado tempo a tomá-la”, num vídeo, publicado na sua conta da rede social X (antigo Twitter),

“Está a ser feita uma tentativa de destruir um povo e uma nação e isso não é aceitável”, acrescentou Mahamat em Doha, onde decorreu um Fórum de Segurança Global 2024.

Já o Presidente norte-americano, Joe Biden, criticou o mandado de captura, rejeitando qualquer “equivalência” entre Israel e Hamas.

O pedido do procurador é “ultrajante”, afirmou Biden numa declaração, argumentando que “independentemente do que o procurador insinua, não há equivalência entre Israel e o Hamas, nenhuma. Estaremos sempre ao lado de Israel contra as ameaças à sua segurança”.

LUTA CONTRA A IMPUNIDADE

O alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, lembrou  que os estados que ratificaram os estatutos do Tribunal Penal Internacional (TPI) são obrigados a executar as suas decisões.

Borrell reagiu desta forma, na rede social X, depois do procurador do TPI, Karim Khan, ter solicitado esta segunda-feira mandados de captura contra dirigentes israelitas e do Hamas.

“Tomo nota da decisão do Procurador do TPI de solicitar mandados de detenção (…) contra Yahya Sinwar, Mohammed Deif, Ismail Haniyeh, Benjamin Netanyahu e Yoav Gallant”, frisou Borrell.

O chefe da diplomacia europeia apontou que “o mandato do TPI, como instituição internacional independente, é processar os crimes mais graves ao abrigo do direito internacional. 

“Todos os estados que ratificaram os estatutos do TPI são obrigados a implementar as decisões do Tribunal”, lembrou.

Paris demonstrou apoio ao procurador do TPI afirmando que “apoia o Tribunal Penal Internacional, a sua independência e a luta contra a impunidade em todas as situações”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, num comunicado de imprensa.

A diplomacia francesa sublinhou que uma “solução política duradoura” é a única forma de “restaurar um horizonte de paz”.

NINGUÉM ESTÁ ACIMA DA LEI

Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional, considerou que “ninguém está acima do direito internacional: nem os líderes de grupos armados, nem os funcionários governamentais – eleitos ou não, nem os oficiais militares”.

“Esta ação do Procurador do TPI envia uma mensagem importante a todas as partes envolvidas no conflito em Gaza e não só, no sentido de que serão responsabilizadas pela devastação que causaram às populações de Gaza e de Israel”, acrescentou a responsável da Amnistia Internacional.

IMPRESSÃO DE FALSA EQUIVALÊNCIA

A Alemanha lamentou que a emissão pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) de mandados de captura contra o primeiro-ministro e o ministro da Defesa israelitas e três dirigentes do movimento islamita palestiniano Hamas sugira uma “falsa impressão de equivalência”.

“O pedido simultâneo de mandados de captura contra os líderes do Hamas, por um lado, e contra os dois líderes israelitas, por outro, deu a falsa impressão de equivalência” entre estes responsáveis, afirmou o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) alemão num comunicado, embora sublinhando respeitar a “independência” do TPI.

“O tribunal terá de responder a uma série de questões difíceis, incluindo a questão da sua jurisdição e a complementaridade das investigações dos Estados de direito em causa, como Israel”, defendeu Berlim, uma vez que Israel não é um Estado parte do TPI.

EQUIPARAR A VÍTIMA AO CARRASCO

Por seu turno, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou o TPI de “completa distorção da realidade”, por equiparar forças israelitas aos “monstros do Hamas” ao pedir para ambos a emissão de mandados de captura.

“Com que autoridade ousa comparar os monstros do Hamas com os soldados das Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês), o Exército mais moral do mundo?”, questionou Netanyahu, numa mensagem de vídeo.

O Hamas denunciou as tentativas do TPI de “equiparar a vítima ao carrasco ao emitir mandados de captura para um certo número de líderes da resistência palestina”, segundo um comunicado citado pela agência francesa AFP.

Também criticou que o pedido do procurador do TPI diga respeito “apenas a dois criminosos de guerra da entidade sionista”, segundo a agência espanhola Europa Press. Khan deveria ter apresentado o pedido contra “todos os funcionários de topo da ocupação (Israel) que deram as ordens” para a ofensiva contra Gaza, defendeu o Hamas.

Por fim, a organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) pediu aos países membros do TPI que protejam a sua independência face a “pressões hostis que provavelmente aumentarão”.

A HRW acredita que o pedido de Khan de mandados de prisão foi feito perante “pressão dos legisladores dos Estados Unidos e outros”, e que, apesar disso, “reafirma o papel crucial do tribunal”.

A organização sublinha que as vítimas de graves abusos em Israel e na Palestina “encontraram um muro da impunidade durante décadas” e o pedido do procurador abre a porta para que “os responsáveis pelas atrocidades cometidas nos últimos meses respondam pelas suas acções num julgamento justo”.

Artigos que também podes gostar

Propriedade da Sociedade do Notícias, SA

Direcção, Redacção e Oficinas

Rua Joe Slovo, 55 • C.Postal 327

Capa do dia