Segunda-feira, 27 Maio, 2024
Início » RESSANO GARCIA: Sobrevivendo à falta de água potável

RESSANO GARCIA: Sobrevivendo à falta de água potável

Por admin-sn
555 Visualizações

QUITÉRIA UAMUSSE

“SEM água, não há vida!” Assim diz o velho ditado popular, mas a comunidade do bairro 4 de Outubro, em Ressano Garcia, distrito da Moamba, província de Maputo, uma localidade atravessada pelo rio Incomáti, desafia a lógica, vivendo sem este recurso essencial nas suas casas há anos.

Há residentes que até vão ao rio buscar o precioso líquido, porém alguns não mais voltam à casa, uns porque se afogam nas águas, outros por causa de ataques de crocodilos e hipopótamos.

É mais um fim da manhã de um dia de Janeiro. O termómetro atinge os 30 graus Celsius, mas a sensação térmica é de mais de 35. Logicamente, um copo de água cairia muito bem para refrescar a garganta ou então um banho de chuveiro para minimizar o suor, porém muitos não ousam satisfazer estes desejos, pois têm de poupar a pouca água salobra que lhes é fornecida por um agente privado a 10,00 meticais  por um galão de vinte litros.

banner

A falta de água potável no “4 de Outubro”, que se prolonga desde 2020, tornou-se um perigo à saúde pública, uma vez que algumas pessoas sem recursos para comprar o  líquido purificado, que custa até 35,00 meticais os seis litros, não conseguem captar água da chuva e, por isso, consomem a salgada correndo o risco de desenvolver problemas renais, digestivos ou piorar os sintomas da hipertensão.

Aliás, a manutenção da higiene e saneamento deixa a desejar, principalmente nos locais públicos, tal o caso do Mercado Central. As casas de banho exalam um cheiro nauseabundo, até ao ponto de alguns utentes preferirem as esquinas para urinar.

Leia mais…

Artigos que também podes gostar

Propriedade da Sociedade do Notícias, SA

Direcção, Redacção e Oficinas

Rua Joe Slovo, 55 • C.Postal 327

Capa do dia